Imagine com Harry Styles - Superhero - Sexta Parte


Fiquei quieta, ela estava rindo, mas na verdade eu pouco me importava com isso. Ainda sentada, olhei para o sorvete de limão que estava na bancada e comecei a imaginar o sabor, ainda estava com fome.

- Quer? - perguntou me tirando dos pensamentos, eu deveria estar o encarando há muito tempo.

- Sim, o de limão, por favor.

- Na taça ou na casquinha?

- Taça. Costumo derramar sorvete na minha roupa. - fiz uma careta.

O tempo passa e eles finalmente chegam, o problema é que nenhum dos meus dois preferidos tiravam os olhos de mim, e eu muito menos deles.



- Harry On -

- Para com isso Niall! Para! - eu dizia gritando a sua frente.

- Mas você é apaixonado por ela não é? Você quer enganar a quem que está apaixonado pela sua empregada?

- Ela não é minha empregada, ela é minha assistente!

- Está abaixo de você do mesmo jeito - disse com desdém.

- Ei o que está acontecendo aqui? - Liam entrou nesse momento, estávamos vermelhos e suados. Permanecemos em silêncio - Eu perguntei o que está acontecendo aqui! - disse duramente.

- O Niall que é um idiota!

Definitivamente, eu não era um cara muito bom nas horas da raiva. Ficava descontrolado e acabava gritando com qualquer pessoa que estivesse na minha frente. Já tentei me controlar várias vezes, mas nenhuma delas teve sucesso.

- Alguém pode me explicar o que está acontecendo? - disse mais calmo.

- Nós estávamos brigando. - eu disse.

- Nem percebi - falou irônico.

- É que.. é que eu gosto muito da (S/N). - engoli seco, Niall levantou-se do sofá e foi para fora da sala. - Acho que estou apaixonado por ela e quando ela disse aquelas palavras importantes primeiro eu fiquei sem reação. Ela foi embora chorando pros braços do Niall e eu juro que agora que eu tenho certeza do que sinto percebo o quanto ela é importante pra mim. Eu faria qualquer coisa pra trazê-la de volta.

- Mas porque vocês estavam brigando então? - perguntou juntando suas mãos.

- Niall também é louco por ela e fica inventando qualquer motivo pra dizer que não é o suficiente. Como se ele me botasse no topo e ela lá embaixo, como se eu não conseguisse enxergar nossas diferenças sozinho.

- E porque você não está contando isso pra ela, agora.


Fiquei em silêncio e me deitei observando o teto do camarim. Suspirei algumas vezes e nada do que pensei se encaixava no que eu queria.

- Não sei Liam.

- Então vai atrás dela - se levantou e caminhou até o frigobar pegando uma garrafa de água, então a porta se abre. - Não vai ser mais preciso.

- Oi (S/N). - fiquei paralisado.

- Oi, é rapidinho. Só pra te avisar que a sua mãe ligou de novo e ela parece com raiva, diz que não atende o celular e que é a quarta vez que liga.

- Ahn, obrigado.

Ela saiu e Liam me encarou confuso.

- O que foi? Era pra eu ter saído?

- Não, tudo bem. É melhor deixar as coisas acontecerem naturalmente.

- Se quer assim. - deu de ombros.

...


- Niall, o que você está fazendo aqui?

Perguntei assim que abri a porta. Estava em casa há alguns dias isolado do mundo. Ficava pensando se deveria ligar ou esperar sua ligação. Então a visita que eu menos esperava era dele, mesmo sendo um dos meus irmãos.

- Olha cara, vim te dizer que algo abriu os meus olhos. Não era dela que eu gostava, só da sua companhia. Eu sou carente tá. - ele disse me olhando de canto e segurando um pequeno riso.

O encarei e comecei a rir também, logo se transformando em uma gargalhado de ambos e nos abraçamos, demos tapinhas nas costas e comentamos o quanto toda essa situação havia sido ridícula.

- Sem ressentimentos sobre o aniversário do Josh né?

- Do quê?

- Que eu tinha levado a (S/N) pra minha casa e tinha rolado sabe? - ele ficava sério. - e você até tinha ido cuidar do Zayn bêbado.

Ele continuava sério, me olhou e vi seus punhos cerrarem.

- Não acredito que você fez isso! - disse indignado.

- Calma Niall, acabamos de rir de tudo isso. - ele se sentou no sofá e recostou a cabeça suspirando.

- Tem bebida aí? - sorri.

- Niall On -

Passamos toda a tarde conversando sobre a (S/N), o que me fez abrir ainda mais os meus olhos para saber que eu só sentia atração e ciúmes de uma amiga. Conversamos bastante e assim que liguei para Kate na manhã seguinte ela fez o favor de me avisar que a garota estava indo para a sorveteria, então eu surtei tendo uma ideia maluca.

- Harry, acorda! - disse o chacoalhando, acabei dormindo aqui.

- O que foi? - disse sorrindo.

- Que bom que está de bom humor, porque eu tive uma grande ideia. - fiz carinha de malandro e ele riu mais um pouco, me pedindo para continuar - que tal você ir falar pra ela o que sente e acabar com essa história de uma vez.

- Ahn?

- A Kate me disse que a (S/N) está indo até a sorveteria, vamos até lá conversar e sei lá você leva ela pra um cantinho e conta pra ela o que você sente.

Ele parou e olhou para o teto desmanchando o seu sorriso. Ficamos em silêncio por um tempo e ele se levantou indo em direção ao banheiro.

- Sabe Niall, essa sua ideia é, me desculpa, mas é estúpida e pode ser que dê certo. Afinal vamos só conversar e eu não tenho nada a perder não é? - disse animado, assenti.

- Você On -

O clima estava tenso desde que entramos no parque público. O Harry começou a caminhar mais próximo de mim e meus pelos começavam a se eriçar toda vez que nossas mãos se encostavam. Niall que estava a nossa frente andava ao lado de Liam e Kate, qual vez ou outra trocavam olhares que significavam algo a mais. Então por um momento, todos se afastaram para ir atrás de alguma coisa. Como as minhas pernas estavam tremendo eu preferi ficar parada e o Harry me acompanhava, quando me puxou e sentindo ser observada por todos, me levou até perto dos arbustos começando a falar:

- Olha, eu sei que a nossa história não tem sido muito longa e nem tem aquela mágica que vemos nas outras pessoas. Só olha nos meus olhos e você vai saber que eu estou nervoso o suficiente pra me embolar com as palavras de uma forma que eu jamais tinha feito. Sabe disso porque você foi a única garota que eu permiti ver isso. Não posso te prometer que se você aceitar o que eu estou prestes a te pedir o nosso relacionamento vai ser o melhor de todos, eu sei que chegarão horas em que nenhum de nós vai querer estar junto e só vamos concordar em uma coisa que seria pular fora dessa vida, e que se nos amarmos ao mesmo nível nós dois vamos querer esquecer os problemas e pegar a auto-estrada no meio da noite, e eu faria isso pelo resto da minha vida só porque eu te amo - disse sério - (S/N), você aceita se casar comigo?

...

- Comecei a tremer e fiquei olhando em volta, o frio começou a contaminar o meu corpo e a única vontade que eu tinha, naquele momento, era correr e me esconder em um lugar que ninguém pudesse ver as minhas lágrimas.

- De felicidade né - minha tia disse rindo - mas e o anel?

Olhei para o meu dedo ainda sem aliança.

- Ainda não tenho, mas me sinto como se estivesse o usando há um longo tempo - sorri - droga, tia eu preciso ir! Marcamos um jantar hoje e eu não posso me atrasar.

- Tudo bem, mas eu tenho o palpite de que ele vai te dar esse anel hoje.

- Também acho, sabe, que isso fique entre nós mas eu estava arrumando a mala dele e quando eu fui pegar algumas camisetas uma caixinha azul caiu, não tive coragem de abrir mas tinha escrito Tiffany & CO. - dei alguns pulos de felicidade. - não comentei nada com ele, mas ainda sim vai ser surpresa já que eu ainda não vi o anel - sorri e caminhei até a porta, dei um abraço na minha tia e fui rumo ao carro. Recebi uma ligação:

- Oi amor!

- Oi, só queria saber se você ainda lembra do nosso jantar. - disse rindo.

- Lembro sim, estou a caminho.

- Tá bom, anda logo que eu estou te esperando.

Desliguei e segui rumo ao apartamento relaxando no banco do carro. Olhei para o teto e sorri sozinha ao pensar nas coisas maravilhosas que estavam acontecendo. Então ouvi um baque.

- Anda, vamos! - a porta havia sido aberta. - passa a bolsa. Anda! Se gritar você morre!

Comecei a chorar no momento de desespero, assim que ele me puxou para fora do carro.

- Anda! Vai, encosta aí! - dizia baixo mas sua voz era firme. - Abaixa, fica abaixada!

Quando ele empurrou minha cabeça contra a lataria do carro gritei assustada pelo movimento brusco, então senti uma ardência na barriga.

- Eu avisei - e ele saiu correndo.

Dentro de alguns segundos alguém apareceu. Não pude perceber quem era mas gritava por socorro, meus olhos estavam embaçados pelas lágrimas descontroladas que caiam sobre mim, começando a se misturar com o sereno da chuva londrina.

- Fica pressionando minha princesa. Vou chamar uma ambulância, fica pressionando. - foi no momento em que passei as mangas do casaco pelos meus olhos eu sorria por perceber que ele estava ali. A dor ficava um pouco mais forte, então comecei a pressionar com mais força até que a ajuda chegasse me levando para o hospital, junto com o meu herói.

...

- Então Dr., como ela está? - o noivo perguntou nervoso.

- Os dois estão bem.



Nossa Senhora, não sei o que dizer. Mas é meu primeiro final, aêê!
Estou aprendendo a melhorar os finais para a fanfic Apparently,
nela eu não quero deixar ninguém decepcionado :)

Remember - Parte 1


(Leia escutando xxxxxxx)

Vida perfeita? Isso não existe, nem nunca existiu. Mas, por algum motivo desconhecido ela sentia que sua vida um dia havia sido perfeita, mas talvez nada seja perfeito, nada e nem ninguém. Quando a vida lhe trouxe pessoas boas ela tentou aproveitar elas ao máximo, antes que a vida as tirasse de novo dela, assim foi feito.  E só agora olhando para trás, ela percebe o quanto tempo foi perdido. O amor é um sentimento tão puro, mas as vezes é como um doce veneno com gosto de fel. Mas agora, depois de tudo que havia acontecido na semana anterior, ela havia conhecido o sofrimento que o mundo podia a proporcionar, talvez ela tivesse encontrado a derrota sem ele ali para a guiar, toda vez que ela deitava sua cabeça em seu travesseiro vinha em sua mente  as lembranças daquela sexta-feira escuro.

[Uma semana antes, sexta-feira 23:39PM Londres-Reino Unido...]

Era uma sexta-feira como todas as outras onde Niall levava Seunome para passear, o namoro do casal jovem parecia perfeito, vivia nos tabloides e dava inveja em qualquer um. Niall se declarava um rapaz apaixonado pela garota, cantava para ela em seus shows e escrevia músicas pensando nela, a garota que havia feito seu mundo melhor.  Tinha se conhecido por simples obra do destino e continuado até hoje juntos, eles haviam ensinado muitas coisas um ao outro. Naquela noite haviam saído para um passeio comum por Londres, andava calmas e até muito silenciosas, até que de repente o inesperado aconteceu, de algum lugar ao qual nenhum dos dois teve tempo de ver um barulho estridente ecoou e logo ele estava sobre seus joelhos, não demorando muito a cair no chão, onde uma uma poça de sangue estava se criando. O caos havia tomado conta dela, o homem que ela tanto amava estava morrendo em seus braços.

-Niall, por Deus, não me abandone, fique forte -ela disse enquanto discava um número em seu celular- 

Seu coração estava disparado, seu cérebro estava a mil, ela deveria ser adulta como aprendeu, mas aquele momento não permitia. O desespero havia tomado conta dela.

-A ambulância já está vindo Niall, calma -ela dizia isso mais para ela mesmo do que para ele-
-Seunome -ele disse baixo- Eu sei que dessa não passo e não sei quem fez isso, mas eu quero que você saiba, que te amo. Enxugue suas lágrimas, meu amor por você não é pouco, eu queria muito cuidar de você pra sempre, mas como você  diz o destino brinca com a gente sempre meu amor... -ele disse fechando seus olhos devagar-
-Eu te amo -e aquela havia sido a última conversa deles-

[Dois anos atrás 23:29PM Paris-França]

-Não Niall, eu não vou sair daqui agora que meus pés estão quentes, vá você apagar a luz.
-É sua noite Seunome, vá lá -ele ria e ela bufou, levantou e foi-
-AI -resmungou porque havia batido seu dedidinho mindinho no pé da cama enquanto voltava após a luz já estar apagada- 
-Oque foi amor?
-Bati meu dedinho, merda.
-Ta doendo?
-Não Niall, tá fazendo carinho -ela riu e foi se deitar com ele roçando seu pé gelado no dele-
-Seunome! -ele estremeceu- 
-Isso é pra você aprender a ser cavalheiro e ir apagar a luz pra sua namorada -os dois caíram no riso aquela noite, e embaixo daqueles lençóis se amaram, se amaram intensamente-

[Sete meses atrás, 4:39PM Londres-Reino Unido]

Seunome fazia seus trabalhos da faculdade quando seu celular mais uma vez apitou, mensagem de voz, Niall novamente. Foi quase impossível não sorrir de imediato. Após isso abriu a mensagem e levou o celular ao ouvido.

-Ei amor, sou eu. Só queria ligar para dizer que eu te amo muito, muito, muito, muito. Só queria que você soubesse que você é minha princesa e que você é digna de todo o amor do mundo. Você é o amor da minha vida, não se esqueça disso.

[Dias atuais... 2:30AM Londres-Reino Unido]

Como conviver com essas lembranças? Nem o mais forte dos calmantes faria que Seunome conseguisse dormir essa noite, porém no fundo ela também não queria dormir. Sabia que no fundo do seu inconsciente Niall voltaria pra ela, mas quando acordasse, tudo não passaria de mais um sonho, apenas um sonho... Ela não queria o ter apenas em sonho, então preferia, que sua imagem não o perturbasse.
Agora tudo que ela tinha eram lembranças, o dinheiro não podia comprar o tempo. Aquela última semana havia sido a pior, ela nunca havia se sentido tão abatida como agora e tudo que podia fazer, era lembrar.

--------------------------------------------------------------------------------------
Olha quem tá de volta HUHDHUDH DUDAAAA. Sim sou muito animada para alguém que está doente UHAHUASS enfim, o que acharam? Mereço comentários? Então meus amores, já deu pra perceber que eu sou o drama em pessoa né?  
Esses dias tive uma ideia, que tal um grupo de whats com as leitoras? Enfim, quem quiser deixa seu número nos coments, beijo amores <3

Apparently - Capítulo Trinta e Cinco - Beijos


Você: Então.. bem-vindo a Evelyn Grace Academy! - disse divertida.

As pessoas a minha volta me olhavam e sorriam, era uma pequena festa de boas vindas. Claire me olhava de canto, estava sorrindo. Algumas garotas me olhavam de um jeito malicioso, maroto.

Claire: É Zayn, bem-vindo de volta ao colegial.

Disse caminhando lentamente até onde estávamos, me puxando para um abraço. Olhou para (S/N) enquanto sorria e disse:

- Sabe quem planejou essa festa sozinha? - riu e apontou para a amiga - é hora de conhecer algumas pessoas novas, vamos.

- Você On -

Peguei um copo de refrigerante e sorri satisfeita com o resultado do que havia feito: um pequeno bolo dado pelas moças da cantina, alguns refrigerantes e um pouco de música, a seleção tinha sido escolhida especialmente pela Claire.

Harry: Hey! - disse feliz bebericando o líquido - se divertindo? - assenti. Ele sorriu.

Ficou ao meu lado soltando gracinhas falando o quanto estava feliz por saber que mudaria de quarto para estar com Zayn. Ficaram amigos de cara e sendo assim, os outros meninos também. O Niall não gostava muito da ideia já que aturava o Louis e suas gracinhas me botando pra cima e dizendo: "você é linda", ainda mais que agora teria que me dividir com o Zayn e o Harry, e ele sabia que eu tinha uma queda por ele, esse o motivo dele estar sozinho e emburrado do outro lado da sala.

Louis: Vamos comer bolo! - disse levantando um pratinho de plástico. - vem Zayn, faça as honras.

Zayn estava rindo o tempo todo, o que me deixava feliz. Caminhou até a mesa do professor onde estava o bolo e o cortou, foi quando andei até ele e me encarreguei de servir todo mundo. A partir dessa hora, nem Harry nem o Zayn ficaram longe de mim.

Zayn: Baunilha! Meu favorito, obrigada (S/N) - ele dizia feliz.

Podia ser meio bobo estar comemorando a chegada dele na escola, mas tinha um significado. Ele estava voltando a sua vida de estudos e nada era mais importante para tal futuro do que isso. Quando todos terminaram, foram se despedindo do principal e desejando-lhe boa sorte. Com a ajuda dos meninos, limpamos toda a sala e enquanto todos colocavam as cadeiras de volta no lugar eu e Harry fomos levar o lixo até a grande lata que fica atrás do colégio, ordens do diretor.

Harry: Foi bem legal o que você fez pelo Zayn, foi uma forma de incentivar.

Você: Sim.

Harry: Falando assim, fico até tocado - disse rindo. - de alguma forma também me incentivou. - sorriu e pegou na minha mão, enquanto ainda carregava o lixo na outra. - então, quer se divertir mais ainda?

Você: O que você está pensando Styles? - perguntei brincando.

Harry: Vamos dar uma volta. - disse já jogando a sacola dentro do latão. - Topa?

Você: Topo.

Demos as mãos e caminhamos para fora do colégio.

...

Harry: Tchau princesa - disse depositando mais um beijo nos meus lábios.

Fechei a porta e dei alguns pulinhos de felicidade, assim percebendo que Donna estava deitada na cama lendo algum livro.

Donna: Era o Harry? - perguntou triste.

Você: Era sim. O que está lendo?

Donna: A menina que roubava livros. Ele é seu, peguei da estante. Se importa?

Você: Não, pode pegar qualquer livro. Só toma cuidado pra não amassar tá bom?

Donna: Tá certo - disse sorrindo, quando me lembrei de como ela me chamava de louca.

Levantei da sua cama e procurei pelo telefone que havia ganhado recentemente, esperava chamadas dos meus pais mas há algum tempo eles não retornavam minhas ligações. Sem nada pra fazer, fui tomar banho.

- Harry On -

Emma: Oi Harry - disse feliz.

Harry: Oi, tudo bem? - estranhei sua felicidade, mas continuei sorrindo.

Emma: Então, é rapidinho. Só queria saber o que você sente pela Donna. - "ah, então era isso", pensei.

Harry: Olha Emma, a Donna é uma garota legal. Já gostei muito dela mas agora meu coração pertence a outro alguém. Pronto, era isso que o que você queria saber?

Emma: Sim Harry, obrigada - depositou sua mão em meu ombro e o apertou.

Não demoraram muitos segundos até que eu quebrasse nosso contato visual, Emma é uma garota linda e eu já estava ficando nervoso com a nossa aproximação. Como já estava na frente do quarto do Zayn, apenas abri a porta empurrando minha mala e mochila.

Zayn: Quem está aí? Harry? - o barulho do chuveiro ecoava, assim como a nuvem de vapor.

Harry: Sou eu! Já cheguei!

Zayn: Beleza. Se arruma aí!

Joguei as minhas coisas por cima da outra cama que os inspetores trouxeram mais cedo e comecei a arrumar tudo. Assim que Zayn saiu do banheiro soltou piadinhas de como eu estava organizado:

- Olha que o papaizinho gosta de tudo no jeitinho é?

Harry: Só gosto de tudo dobrado, sabia que assim as camisas não precisam ser passadas toda vez que você sai?

Zayn: Não passo roupa pra sair - disse com a cara fechada.

Ficamos em silêncio então eu disse:

- Pois devia, e eu posso te ensinar. A não ser que prefira dobrar pra não ter tanto trabalho.

Zayn: Ei, me diz uma coisa. Onde é que fica a lavanderia?

Harry: Aqui não tem, mas passando duas ruas indo pelo lado direito você encontra. É meio caro se for pra ficar lavando de pouquinho. Então eu junto um bolão e as minhas cuecas eu lavo no banheiro mesmo, mas demora pra secar.

Zayn: Ok palestrante mestre. Vou tentar seguir seus passos - disse dando um sorriso sapeca, mas eu me mantive sério.

Era meio esquisito um cara mais velho não ser mais organizado do que você. Será que daqui a alguns anos eu também vou ser assim? Acho que a (S/N) não vai curtir.

Ladies and gentlemens.
SUPERHERO ESTÁ ACABANDO!
Pronto falei o que precisava falar.
Hanna Ashley <3

Já curtiu a nossa página no facebook?

Imagine com Liam Payne - Primeira Parte - Agora ou Nunca


- Acorda amor, acorda! Tá nevando, vem ver! - meu namorado dizia pulando feliz em cima da cama. Me segurou pelo braço me ajudando a levantar e seguiu correndo até a sacada do nosso apartamento. - Olha só, que bonito.

Você: Nossa! - eu dizia maravilhada. Chegamos em New York há poucas semanas e essa seria a primeira vez que víamos neve em toda a nossa vida.

Brian: Vamos descer! - ele disse mirando seu olhar sobre mim, seus olhos brilhavam.

Você: Hey, calma. Precisamos de roupas adequadas, lembra?

Brian: Não. Agora vamos - segurou meu braço novamente.

Você: Dá pra parar por favor? Você está parecendo uma criança. - ele se virou bufando e voltou para o quarto.

Não havíamos assistido o jornal ultimamente para saber que uma nevasca estava a caminho da cidade. Não podia deixá-lo sair tendo o risco de ter uma hipotermia. Era mais seguro comprar casacos e suéters fortes o suficiente para evitar isso. Pensava em alguma ideia para resolver esse problema, enquanto a pequena criança estava no quarto com raiva de mim. Tive uma ideia que poderia funcionar.

- Alô? - escutei sua voz suave por trás da linha telefônica.

Você: Emilly? Aqui é a (S/N). Estava querendo saber se você topa ir comigo comprar algumas roupas pro frio.

Emilly: Hum.. espera. - o barulho do choque de seu telefone com algum superfície me fez perceber que ela não estava mais lá. Alguns segundos depois retorna. - (S/N)?

Você: Aqui.

Emilly: Eu vou sim. Posso passar aí agora?

Você: Sim. Mas por favor traz um sobretudo pra mim, é que eu não tenho nenhuma roupa de frio ainda.

Emilly: Tudo bem. Até logo.

Emilly é apenas uma amiga que conheci no trabalho. Fiz faculdade de moda há pouco tempo no Brasil e vendo o meu potencial, sem querer me gabar, me ofereceram trabalho de estilista em lojas de departamento para noivas. Conheci Emilly lá. Sua irmã me encomendou pessoalmente o meu primeiro vestido para o seu casamento, e ainda me convidou. Naquela época ainda era verão. Emilly é uma mulher já divorciada, com um filho chamado Peter. Ele é um amor. Ela é pedagoga e ama o que faz, trabalha em uma escola pública perto de casa há três anos.

Emilly: Tô aqui em baixo, vem correndo que o sangue esquenta. - disse rindo e desligou.

Você: Amor! - fui andando até o nosso quarto e o vi mexendo em seu computador. - Estou indo comprar umas roupas no shopping com a Emilly. Daqui a pouco eu volto, quer alguma coisa?

Brian: Não. - respondeu concentrado.

Sempre tive uma queda por caras crianções, ainda não sei porque. Brian é um cara legal, adora fazer piadas e cozinhar, tinha olhos num tom quase mel e seu sonho era ter um restaurante qual pudesse jantar todo domingo a noite com toda a sua família reunida.

- E aí? - dizia sorrindo enquanto eu tremia com o frio.

- Desgraçada. - digo ainda tremendo, ela joga o casacão por cima de mim esfregando-o na minha pele, para aquecer mais. - Obrigada.

...

- Amor? - perguntava rondando o apartamento. - Cadê você?

Emilly: Encontrou ele?

Você: Não. - dizia já assustada. - Brian!

...

- Calma, vai ficar tudo bem. - Emilly dizia enquanto dirigia rapidamente ao hospital.

Você: Brian, a gente já tá chegando - eu dizia acariciando sua cabeça. Ele estava pálido e tremia.

Estava com medo de algo muito grave estar acontecendo, a pior sensação era a de que eu não poderia fazer nada, mesmo que a vontade me consumisse. Os sinais, por obra do destino estavam verdes, era o destino em que sempre acreditei.

Emilly: Por favor, uma maca! - gritou na frente do hospital.

Dentro de minutos enquanto ele ficava no meu colo, a ajuda chegou. O via sendo carregado por aquelas pessoas desconhecidas, tendo a esperança de que em poucas horas ele retornaria aos meus braços. Nos sentamos na sala de espera, nos abraçamos e víamos mais pessoas chegando o tempo todo. Cortadas, desmaiadas, vomitando, era isso o que eu via. Talvez isso acontecesse por estarmos no hospital central. A maioria das pessoas vem pra cá, muitas são transferidas, mas casos graves como esse não deveriam ser ignorados.

Emilly: Está chorando? - ela me perguntou, quando notei algumas lágrimas rolando pelo meu rosto. - Não chora amiga, vai ficar tudo bem. Você vai ver.

Você: Eu sei que ele vai ficar bem, eu tenho fé. - digo suspirando, olhei para os lados e encontrei uma máquina de café, levantei-me e caminhei até lá, parando ao lado de um cara alto.

- Droga! - ele dizia balançando a máquina.

Você: Precisa de ajuda?

- Essa porcaria engoliu minha moeda. - fez uma careta.

Você: Deixa que eu te ajudo. - pedi licença e com cuidado, mexi um pouco a máquina mas nada acontecia. - Boa tarde, mas a máquina de café não está funcionando. Pode nos ajudar? - digo depois de caminhar até a recepção do hospital.

- A máquina está sem café.

Você: Hum, meu amigo colocou a moeda dele dentro, tem como pegar de volta?

- Não.

Você: Tá, tudo bem.

Emilly me observava de longe, e olhando para o garoto, ficou surpresa. Cheguei mais perto dele e falei:

Você: Olha, ela disse que a máquina está sem café, e não tem como pegar sua moeda de volta - fiz careta.

- Tudo bem, não preciso daquela moeda - deu um sorriso torto e eu saí procurando por um pouco de água e informações.

Encontrei um bebedouro pouco perto da grande porta por onde o Brian passou, pelas janelinhas, não pude enxergar nada. Peguei um copo extra e levei até a Emilly, com certeza ela iria aceitar.

Você: Toma.

Emilly: Valeu.

Me sentei e ficamos esperando por um tempo, notei que o garoto não parava de nos olhar. Viu que eu estava o observando, se levantou e caminhou em nossa direção, sentou na cadeira vaga ao meu lado e ficou calado.

Você: Então.. - digo o olhando, seu olhar me levava a Emilly que permanecia calada. - Qual o seu nome?

- Liam, Liam Payne. - estendeu sua mão até mim, a apertando.

Você: Meu nome é (S/N) - sorrio sincera. - Porquê está aqui?

Liam: Ah, um amigo bebeu demais e passou muito mal, ele até desmaiou. - disse rindo. - cara fraco! Ele está tomando um pouco de soro na veia.

Você: Nossa.

Liam: Pois é. - ele riu. - Mora aonde?

Você: Aqui mesmo, mas nasci no Brasil.

Liam: Está fazendo intercâmbio?

Você: Não, estou morando definitivamente aqui.

Liam: Ah sim.

Ficamos calados por um tempo, quando um garoto loiro veio andando lentamente até nós e disse:

- Já podemos ir.

Liam virou-se pra mim, agradeceu pela companhia e saiu andando com o seu amigo bebedeiro.

Você: Que garoto lindo, meu Deus.

Emilly: (S/N), você sabe quem ele é? - fiz que não com a cabeça. - ele é Liam Payne, da banda One Direction.

Fiquei séria, sorri um pouco me lembrando da época em que gostava da banda e me perguntei mentalmente do porque eu não consegui reconhecer o seu rosto.

Emilly: A gente pode ir em algum restaurante comer? Tô morrendo de fome. - Emilly dizia manhosa. Levantei com desdém e fui até a recepção, pedindo que caso tivessem alguma notícia, me avisassem.

Você: Vamos.

Saímos a pé até o restaurante mais próximo, e quando chegamos lá demos de cara com os garotos do hospital. Os dois estavam sentados em uma mesa próxima ao balcão em que estávamos fazendo os pedidos, quando ele nos viu, abriu um sorriso e nos convidou para sentarmos junto a eles.

Liam: E aí, quanto tempo não? - ele disse rindo.

Você: Anos - respondi.

- Sentem-se - o loiro falou feliz.

Você: E aí, está melhor?

Niall: Estou sim, valeu por perguntar. - disse rindo. - Meu nome é Niall, você deve ser a (S/N). E você é..

Emilly: Emilly. - sorriu.

Niall: Prazer.

Liam: Então, porque vocês estavam no hospital?

Você: Meu namorado teve uma hipotermia porque saiu na neve sem as roupas adequadas e parou no hospital. - digo rindo mas triste ao mesmo tempo e o meninos ficaram assustados.

Niall: Ele vai ficar bem, só precisa de um pouco de calor.

Assenti e continuamos a conversar, meia hora depois recebo uma ligação do hospital, era hora de voltarmos para casa.

Emilly: Quem era?

Você: O hospital, o Brian acordou e está esperando a gente.

Emilly: Ah, sim.

Você: Então, foi um prazer conhecer vocês. Temos que ir, tchau!

Liam: Ei, espera. Me passa o seu celular pra gente conversar mais vezes - disse sorrindo.

Você: Claro. Nos vemos mais tarde. - dei-lhe um abraço e saímos do local.

Caminhava em silêncio e satisfeita por tudo ter dado certo, olhei para trás achando que seria a última vez que o veria na minha vida. Eles estavam entrando dentro de um carro branco.

- Liam On -

Aquela garota, alguma coisa mexeu comigo. Não sei se foi o olhar, ou o jeito que sua boca se movia, ela era absolutamente linda.

Niall: Foi ela, não foi?

Liam: Foi sim. - eu dizia sorrindo.

Niall: Lembre-se da Sophia.

Liam: Não tem como esquecer.

Já curtiu a nossa página no facebook?
Demorei bastante pra conseguir completar
esse imagine e ainda falta terminar 
a segunda parte, espero que tenham gostado!
Sobre Apparently: minhas sinceras desculpas
as meninas e a todo mundo que lê, mas tive
alguns problemas com a internet :/

Hello, Hi, Heey...


Heey meninas, tudo bem com vocês? Bom, espero realmente que sim, bom, depois de pensar MUITO, MUITO MESMO sobre o que fazer com As Long As You Love, eu resolvi reescrevê-la, então, vocês podem começar a ler do inicio de novo, não vai mudar muita coisa, só vou dar uns retoques nela, não, mentira, vai mudar coisas sim, a personagem principal, Chloe, não vai ser mais a cantora perfeitinha de Orlando, ela vai ser uma paparazzi que vive atrás dos meninos da 1D, bom, enfim, vocês vão entender depois, mas bem, todos os capítulos que eu atualizar eu vou colocar pra vocês saberem que eu atualizei, mas enfim, se vocês quiserem que eu continue com a As Long As You Love Me na versão original, me peçam e eu vejo se consigo postar a antiga e a nova simultaneamente.