Avisos + Capas por encomenda.



Hey gatas, como vão? Espero que bem , sim eu ando sumida, semana de provas e uma pequeno bloqueio de criatividade  -.- Bem, eu estou tentando escrever o próximo capítulo de Try Again, sim a fic não é só tortura, mas vocês ainda tem muito que descobrir da Seunome e eu não posso contar huehue. Bem só tenho a dizer que estou escrevendo o próximo capítulo conforme posso e falar que a fic tem muitas surpresas pela frente, já deu pra ver que o Harry voltou a ser o mesmo né? Não toma jeito, mas enfim, logo vocês vão ver que rumo a Seunome decide tomar em questão a vida dela.

Bem, vou direto ao assunto. Eu ando tendo certo tempo de sobra, que não é muito, masok. Nesse meio tempo, não tenho muito que fazer, então decidi que ia fazer uma coisa que eu gosto, capas de fanfic. Sim eu gosto muito e como não me custa nada decidi que usaria meu tumblr, que eu quase não uso mesmo, para isso. Bem, como eu sei que muita gente tem dificuldade com isso, eu tinha muita no começo, decidi ajudar um pouco trazendo as minhas. Caso vocês queiram ver vou deixar amostras a baixo, e caso queira pedir o que me deixaria muito lisonjeada, é só ir no meu tumblr (its-hapiness.tumblr.com) e ir na ask pedir, assim que eu termina-las posto lá mesmo, mas sempre que puder deixarei um avisinho entre um a postagem e outra minha aqui. O.K. ? Beijos e obrigada meninas.





Estou viva.

Who is Carla?
Olá powerfuls, tudo o.k? Lembram de Beautiful Mess? Espero que sim, porquê irie continuar ela em breve.
Bom eu sumi, mas há explicação. Eu disse em alguma nota de Beautiful Mess que eu estava achando minhas escrita, ruim (?). Então, resolvi concertar isso. Isso foi concertado. Porém entrou novo projetos de fanfics, com isso mais trabalho. E a escola resolveu me encher de trabalho nesse tempo, quando achei uma brecha, puft! meu notbook quebra e eu só fui comprar outro semana passada. Bom é isso. Lindas, tenham paciência comigo que BM logo será atualizada. Amo vocês e até. 


Heeeeeey!


HEEEEEEEEEEEEY! 

Ai meu Deus! Quanto tempo longe. Um mês, exatamente. Eu posso dizer que eu me esqueci de entrar e me deu uma certa preguiça. Fiquei tão tumultuada com os estudos que mal tenho tempo para respirar, peço desculpas por isso e por ter ficado ausente esse tempo todo, espero que vocês me perdoem por isso. 
Outro motivo além dos estudos, foi a morte da minha cachorra. Não quero entrar em detalhes sobre isso mas esse acontecimento me abalou muito, por isso andei desanimada e sem vontade de escrever. 
Quero voltar a postar, vocês não imaginam o quão travada eu estou. Hoje, infelizmente eu não vou conseguir escrever muita coisa e atualizar o que eu tenho para fazer porque tomei a vacina do hpv e meu braço tá dolorido. 
Amanhã espero postar alguma coisa. Obrigado por todoooos os comentários amorzinhos <3 amo vocês e esse tempo me ajudou a acalmar os nervos. 
Obrigada por tudo e desculpem pela ausência. 
Jana 

Try Again - Capitulo 5


Capitulo 5 - Motivos
Sim, eu esqueço as consequências,por um minuto que eu perco meus sentidos / Nobody's Perfect - Jessie J.

Seunome Voice's.

Harry havia ido para o trabalho, Justin conversava comigo na sala contando sobre a vida dele e de como precisava de alguém ao lado dele ultimamente, conheço ele desde muito nova, sempre foi muito alegre, mas hoje parecia muito abatido.  Estávamos na cozinha eu preparava um café para ele enquanto conversamos, ele me perguntava sobre meu casamento com Harry o que me parecia muito estranho.

-Seunome, você não vai embora daqui por que? Você sabe que ele sempre faz isso, e depois te fere de novo.
-Eu amo ele Justin, não posso o deixar como as outras pessoas, ele precisa de mim e eu preciso dele.
-Isso ainda não me parece certo, você deveria ir e tentar uma nova vida.
-O que quer dizer com isso?

Senti um cheiro forte em meu nariz, fui perdendo meus sentidos aos poucos e logo tudo escureceu, meu inconsciente tomava conta de mim.

***

Minha cabeça doía como se eu tivesse com uma daquelas ressacas horríveis, abri meus olhos vagarosa e olhei em volta, nunca havia visto esse quarto. Me levantei aos poucos e caminhei até a janela, puxei um pouco a janela e claridade me fez cerrar um pouco os olhos. Me acostumei com aquela luz e olhei as coisas em volta, campo, não me lembro de ter vindo pra nenhuma casa de campo. Muito menos reconhecia esse lugar,s´me lembro de conversar com Justin e logo, puff mais nada. 
Caminhei até a porta e puxei o trinco a abrindo, um enorme corredor cheio de quartos, realmente não sei oque estou fazendo aqui e pra ajudar minha cabeça fica dando voltas e mais voltas. Caminhei até o fim do corredor, vi Justin no telefone sentado em um enorme sofá branco lá embaixo. Desci as escadas devagar, mesmo assim ele me ouviu e se virou para trás, me olhou e sorriu largamente, ele tinha um sorriso lindo que me encantava.

-Onde eu estou? -perguntei confusa-
-Na sua nova casa.
-Nova casa? O que? Não entendo, a casa que eu e Harry estavamos reformando para viver não é esta.
-Quem disse que é com o Harry?
-Por que não seria? Ele é meu marido.
-Ele te faz mal, só quero o seu bem Seunome, pense vai ser tudo mais fácil daqui para frente sem ele. Você  poderá começar de novo, tentar de novo.
-Justin ...
-Seunome, por favor. Só tenta, se até o verão você não mudar de ideia sobre isso, ver que é melhor seguir sem ele, você volta, eu juro -parei pra pensar e assenti. Era uma oportunidade que eu nunca tive, mesmo que o futuro fosse feito de incerteza, eu sabia que onde eu estivesse amaria Harry-

-1 Mês depois-

Harry estava em seu apartamento trabalhando em mais um caso, ele tentava ocupar os pensamentos com qualquer coisa que fosse, mas preferia não pensar em Seunome, aquilo o machucava muito. Todas as noites antes de dormir ele chorava ao seu lembrar da mulher que Justin havia levado dele, por mais que tentasse encontra-la, parecia cada vez mais impossível e Justin nunca mais havia dado um só sequer sinal de vida.
Harry olhou para a porta tentando relaxar um pouco seus pensamentos, foi então que viu um envelope embaixo de sua porta. Aquilo poderia estar ali a dias, que ele não prestava a minima atenção. Andou até a porta e pegou o envelope, escrito apenas "Bieber" por fora, o coração de Harry pulou mais forte, sem pensar duas as vezes pegou o envelope e abriu com força querendo ler o que tinha dentro.

"Harry, como vai? Curtindo sua vida de solteiro? Acho que não, perdeu oque tinha de mais valioso não é? Não deu valor enquanto era sua, agora perdeu. Mas, sabe o pior? Ela te ama assim mesmo, quando ela acordou e eu disse que pretendia dar a ela uma nova vida, uma chance de começar de novo, ela me olhou com uma expressão que eu nunca havia visto nela. E eu sei, que em breve ela vai voltar para você. Não quero parecer ruim, me deixe explicar melhor.
Eu amo ela desde que tenho 14 anos, isso faz 10 anos e eu nunca tive um chance se quer com ela, já você chegou e a conquistou de imediato, e quando vi vocês já estavam prestes a se casar. Eu deveria te contar isso tudo pessoalmente, mas não posso, você me mataria antes que eu falasse o por que disso. Mas, acho que devo te contar isso, a algumas semanas descobri que estou morrendo, eu não sei como consegui contar isso a Seunome ontem, fazem quinze dias que estamos aqui e ela ainda pensa muito em você. Meu corpo dói e a cada dia minha doença traz um problema novo para mim, isso é ruim, saber que estou morrendo e não poderei mais lutar por ela. Por isso fiz isso, para que pudesse passar o último ano da minha vida ao lado dela, não se preocupe, o médico me deu um prazo até a minha morte, no fim do verão já não estarei aqui, então se Seunome ainda achar que te ama, ela voltará para você. 
Eu não tinha ninguém para conversar até isso acontecer, ela me faz bem. Minha doença é um mistério, mas sabemos que não tem cura. Não vou poder lutar contra isso, não existem remédios que me curem, minha dor é intensiva, e somente ela está aqui. Logo eu vou morrer, só consigo pensar que Seunome voltará para seus braços e eu sei, que ela nunca me amará como te amou, mas se ela me amar um terço disso, vou me sentir o cara mais amado do mundo. Eu queria estar com ela, com essas poucas forças que me restam vou cuidar dela, enquanto você não está aqui. Pois, somente o sorriso dela me ajuda a levantar todos os dias. 
Não se preocupe, não faço nada de mal a ela, nunca sequer a encostei em um toque diferente como de vocês, se é que me entende. Eu apenas preciso dela ao meu lado nesse momento, onde não tenho mais ninguém. Espero que um dia me perdoe, mas entenda, que eu tive MEUS motivos para isso tudo, nunca quis lhe causar mau. Xx Justin Bieber"

Harry não sabia o que sentia naquele momento. Um misto de dor, ódio, pena e amor tomavam conta dele. Ele queria matar Justin, mas sabia que no lugar dele faria o mesmo. Ele queria Seunome de volta, mas não sabia onde ela estava. Ele estava furioso, Justin não havia deixado pista alguma de onde estavam. Ele sentia sim pena de Justin, mas isso que ele havia feito era loucura, até o fim do verão eram mais oito meses. Ele não entendia como seu nome havia aceitado isso, a raiva tomou conta dele que chutou um mesinha q continha um vaso de cristal que logo foi para o chão.

-Vadia -murmurou- Me apaixonei pela mulher errada -mais uma vez ele havia saido de si- Justin está maluco se acha que vou esperar esse tempo todo -pegou a carteira e o casaco, bateu a porta e saiu em direção ao bar. Iria beber mais uma vez- 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Demorou mais saiu u-u Espero que gostem e comentem, beijo.

Imagine com Harry Styles - Superhero - Terceira Parte


- Não me entenda mal, garota. Eu não gosto de você. - digo dando de ombros. Sorria ao vê-la bufar.

- E de quem você "gosta", então?

- Daquela ali. - digo apontando com o copo de vodka em mãos.

(S/N) se encontrava no outro lado do salão rindo de alguma coisa que o irlandês fez. Era o aniversário de Sandy, nosso baixista que há tempos dizia que iria pegar a minha assistente no dia do seu aniversário. Talvez não esse ano.

- E aí, tá curtindo? - Zayn disse animado, olhando todas as meninas que passavam perto do bar.

- Acho que você tá mais. - a marca de batom em seu pescoço era óbvia. - Cuidado que você tem mulher em casa! - digo rindo.

- Ela tá viajando á trabalho. Ninguém vai saber. - ele estava bêbado, sentia o seu hálito toda vez que direcionava o seu olhar para mim.

- Calma aí, cara. Vamos nos juntar com o irlandês, a conversa dele deve estar muito divertida.

- Você tá doido é pra se juntar com a (S/N), que eu sei.

- Você tá bêbado, você não sabe de nada.

...

Dançávamos juntos, colados, começava a me excitar com os seus toques. Ela gostava de mexer comigo. Por sorte, Niall levou Zayn pra casa e prometera cuidar dele até que dormisse, podendo retornar para a festa e de depois de beber tanto, comer a minha assistente pessoal. Não hoje, garotão.

A puxei para mais perto e colei seu corpo ainda mais no meu. Quando repousei minha cabeça sobre seu ombro, notei Liam nos observando ao longe, com uma cara feia. Se aquilo era errado, foda-se, eu queria que pelo menos uma vez pudesse escutar seus gemidos pronunciando meu nome.

Conduzi a garota até o banheiro, e de repente tudo começou a ficar apertado conforme a intensidade dos nossos beijos.

- Harry.

- Hum..

- Harry, pára.

- O que foi? - digo ficando sem paciência.

- Não dá pra fazer isso aqui.

- Então vamos pro carro, ué.

- Eu quero privacidade, se não, não rola. - disse cruzando os braços.

- Tá.

Fomos até minha casa, qual ela conhecia muito bem. Subimos direto para o "salão de festas particulares do Harry" e caímos em cima da minha cama, já começando a retirar suas roupas.

- Você On -

- Harry? - digo desnorteada.

Olhei para os lados e ele dormia tranquilamente. Levantei procurando por minhas roupas, tomei um banho e tomei um remédio para dor de cabeça que sempre guardava no armário do banheiro. O senti me abraçando por trás. Pelo reflexo do espelho, ele estava nu. Pegou uma pílula da minha mão e a levou a boca, engolindo-a sucessivamente.

- Bom dia, princesa. - disse depositando um beijo suave em meu pescoço. Se desencostou e saiu dos aposentos.

Quando desci as escadas do primeiro andar, notei dores na minha virilha, relembrando da noite passada. "Ele pegou pesado." Entrando na cozinha e o vendo pegar ingredientes na geladeira, notei o toque do meu celular que de algum modo foi parar debaixo de almofadas no sofá. Niall estava me ligando.

- Alô?

- (S/N)? Poxa, eu voltei pra festa e não te encontrei. Te liguei um monte de vezes. Porquê não me atendeu?

E agora, conto ou não conto?


Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6

1. (S/N) conta.
2. (S/N) não conta.
Votem aí, gatinhas!
Hanna Ashley ou @unkindgirl

Apparently - Capítulo Trinta e Um - A conversa



- No capítulo anterior -

Estava andando no jardim da escola, era de madrugada e por sorte dois ou três inspetores não perceberam a minha presença. Tinha recebido uma ligação do Zayn, pedindo urgentemente para que eu o esperasse ali. Escutei a buzina de uma moto e virei para trás, sem motivos, e vi ele. Fui chegando mais perto para não ter que falar alto, e disse:

- Zayn, o que você está fazendo aqui? - Perguntava andando para ficar ainda mais perto, encostada na grade, enquanto ele tirava o seu capacete. Revelando olheiras, cara de choro e uma barba mal feita.

Zayn: Vim ver a Donna. E principalmente, vim ver você. Quero conversar contigo sobre a Claire, agora. Sobe na moto, que eu te explico.

- Zayn On -

Sentia suas mãos gélidas agarradas á minha cintura. O vento deixou seu cabelo assanhado, ela estava linda. Pedi que descesse e segurei sua mão nos encaminhando até as escadas. Morava agora em um prédio, numa rua bonita cheia de flores, quais eu sabia que ela adorava.

Você: Então, não vai começar a falar? - Ela perguntou se sentando no sofá, respirou fundo após observar o meu silêncio e andou pelo apartamento.

A decoração era simples: um sofá que consegui na promoção de uma loja de móveis, a tevê era do antigo dono; a cozinha possuía um frigobar, um microondas e uma mesinha de madeira; as paredes eram de cor bege; um banheiro com: vaso, chuveiro e pia; e o quarto possuía apenas uma cama com as minhas poucas roupas em uma mala antiga da minha mãe;

Enquanto ela observava o local com as mãos no bolso, me encostei na parede a observando. Poucas vezes á via esfregar suas mãos nos braços, numa tentativa útil de se aquecer.

Zayn: Acho que esqueci de te dizer que eu não tenho aquecedor. Está com muito frio?

Você: Nada que eu não possa suportar. - disse sorrindo, negando com a cabeça. - Então, o que queria me dizer?

Zayn: Senta aí. - "tá", ela respondeu. - Eu, eu estou numa situação meio difícil por aqui. Estou namorando com a Donna, e.. Ah, eu não consigo. - digo dando de ombros levando minhas mãos a cabeça. Alguma coisa sempre me travava. Ela veio em minha direção e me abraçou, bem apertado. Levou minha cabeça em direção ao seu pescoço e ficamos em silêncio por alguns minutos.

Você: Conte quando estiver pronto.

Zayn: Eu estou. - sentamos no sofá e retirei o meu casaco, assim como ela há alguns segundos. - Conheci Donna há alguns anos nas minhas férias de verão em Bradford. Era a vizinha da frente, a garota legal e simpática, bonita que todos os garotos do colégio queriam como namorada. Eu não era diferente. Tinha abandonado o colégio semanas antes e tinha planos futuros de me mudar para Londres o quão rápido pudesse pra seguir os meus sonhos. Claro que a minha mãe Trisha, não concordava. Era absurdo que um filho seu abandonasse os estudos no ensino médio pra virar cantor. Logo ela que sofreu tanto contra o preconceito por ter descendência paquistanesa, e por ser jovem demais com um filho nos seus braços. Brigamos no mesmo dia e decidi que sairia de casa. Andando por aí, encontrei Donna com seu cachorro numa rua deserta. Acabamos por conversar sobre o futuro e no fim das férias, ela iria para Londres, a capital. Acho que seria louco se eu não tivesse aceitado a oferta que me propôs: vir com ela. Só que tínhamos objetivos e destinos diferentes, ela pretendia ir á Londres atrás de estudos para uma vida longa, assim que se formasse na faculdade e arranjasse um emprego na área de medicina, traria sua família pra cá. Já eu, desejava seguir o meu sonho. Tentei convencer minha mãe á ideia, nada que adiantasse. Tentei fugir, mas fui pego. O problema é que durante essas férias juramos amor um ao outro sem perceber. Ela foi embora, nos dando muito tempo para partir nossos corações. E eu fiquei lá apenas observando o tempo passar, em meio á brigas e conflitos dentro da minha família.

Respirei fundo olhando para o teto, ela sentava com suas pernas entrelaçadas, com a cabeça apoiada em seu cotovelo, me observando. Deitei sobre suas pernas, aconchegando minha cabeça em sua barriga quentinha. Quando ela começou a bagunçar lentamente o meu cabelo, levei meu olhar ao teto pronto para continuar minha história.

Zayn: O tempo passa rápido demais, esperei por ela e ela nunca voltou. Todas as noites ia ao seu quintal e observava a janela do seu quarto por um arbusto onde nos escondíamos quando queríamos namorar. - digo dando um sorriso - Percebi que fui um iludido, não terminei a escola, vim pra cá e na minha primeira noite em um barzinho conheci Claire. Ela me acolheu em um chalé meio afastado da cidade, dizia que era dos seus pais. Com o tempo me acomodei naquele lugar, mesmo assim sentindo falta da minha família. Lembro que liguei pra eles no natal de 2010, foi a última vez que falei com eles. Eu estava triste, Claire estava com sua família e eu observava a neve pela janela da casa. Ficava pensando que minha companheira estava quentinha, recebendo presentes e não sendo a rebelde que ela adora fingir ser. Lembro que andei pela casa em busca de algo pra fazer, estava com fome e os restaurantes estavam fechados. Eu não sabia cozinhar e nem tinha dinheiro, muito menos algum meio de comunicação além da antiga tevê da sala. Por sorte, encontrei um telefone empoeirado e disquei os números que não saíam da minha cabeça. "Alô?", reconheci que seria minha mãe na linha. "Mãe, eu te amo", eu ficava repetindo e chorando. "Eu também te amo muito meu filho. Por favor, volta pra casa", "Não chora, me responde!", "Zain, você tá aí?". Ela ficava repetindo e eu apenas chorava de saudade. - dizia triste. - Comecei á escutar mais vozes, eram a minha família, eles estavam gritando por mim. Me queriam por perto, assim como eu á eles. Mas eu não podia desistir tão fácil. Não sei porquê, mas eu desliguei. Desde então nunca tive coragem de ligar pra eles, ou então nunca recebi um telefonema, uma carta, nada.

Você: Zayn.. - ela estava chorando, sempre me disseram que mulheres são o sexo frágil, e que homens não deveriam chorar. Eu sentia que devia. - Me abraça. - e eu á abracei, eu precisava disso.

Zayn: Ano passado, nossos destinos se cruzaram, encontrei Donna quando levei Claire ao colégio uma única vez. Começamos a conversar novamente e eu á pedi em namoro. Estamos namorando. - digo dando de ombros. - Mas eu sinto que não é de verdade, eu á namoro porque me ligo ao passado que eu nunca quis esquecer. 

Enfim calei a boca e juntos respiramos fundo. Há tempos queria desabafar com alguém, não tinha muitos amigos homens que fossem pessoas honestas ou de respeito, ela era a minha claridade.

Botei pra fu*** com esse capítulo.
Aceito pedidos de One Shot's galerinha!
Hanna Ashley :)