LongFic - She's Not Afraid - Capitulo 5


Capitulo 5 - Pra sempre.

 ”Eu te desafio a me deixar ser seu único, Juro que valho a pena, Você me abraçar em seus braços, Então venha e me dê uma chance, Para provar que eu sou o único que pode trilhar esse caminho, Até o final começar[…]” / One and Only, Adele.
Harry Voice's

Eu havia desistido de Meredith por ela, sim por ela. Eu sabia o porque de ter feito isso, mas eu estava disposto a contar agora para ela tudo, definitivamente tudo sobre meus sentimentos por ela. Sei que isso demoraria um tanto quanto, mas isso não me importava, eu só queria que Seunome soubesse o quanto eu a queria perto de mim, para sempre.

***

-Uma carta? Sério?
-Sim, eu sei que é estranho e eu nem tinha idade para aquilo, mas eu só queria você perto de mim. -tirei o envelope de oito anos do bolso já meio gasto-
-Você ainda tem?
-Sim, quer ler?
-Sim -ela pegou em sua mão e leu em bom tom-

"Olá Noel, me chamo Harry e tenho 19 anos. É eu sei que não tenho mais idade pra escrever, mas ninguém nunca vai ler essas cartas que ficam embaixo dessa árvore no parque todo ano mesmo. Bem, eu tenho apenas 19 anos e estou bem sozinho no natal. Desde que vim para Londres cursar fotografia não tive mais notícias de ninguém, tenho uma pergunta entalada em meio peito eles se esqueceram de mim? Eu muita falta deles, mas estou sozinho que nunca. Na minha vida nada nunca parece dar certo, nada mesmo. Me apaixonei por uma garota uma vez, mas ela foi embora e nunca se despediu, eu nem sequer sei onde ela está. Esse ano eu arrumei uma namorada, eu achei que gostava dela, achei que ela gostava de mim. Mas mais uma vez a vida quis dar um chute em mim, hoje quando fui a encontrar para vir aqui a encontrei com o outra pessoa, definitivamente cheguei a conclusão, o problema não são as pessoas, sou eu mesmo que afasto as pessoas de mim. E se eu tivesse um único pedido, seria reencontrar a Seunome um dia de novo e poder tentar pelo menos ser amigo dela de novo, por mais que me doa porque amo ela. Eu só queria que ela fosse diferente e me abraçasse, ficasse ao meu lado nos piores momentos e pudesse mudar minha vida, tornasse ela diferente daquele dia em diante. Harry Xx"

 Ela me olhou com lágrimas nos olhos e me abraçou apertado, depois se soltou e olhou para mim.

-Harry, nunca ninguém foi assim comigo, nem mesmo meus pais. Você foi a melhor pessoa que apareceu na minha vida, eu te agradeço por tudo mesmo, por me fazer sentir melhor. Obrigada por me ajudar, eu acho que nunca senti por alguém também o que sinto por você -meu sorriso se alargou em meu rosto-

***

Seunome Voice's.

Levantei-me cedo e fui logo me vestir, não via de encontrar Meredith e a trazer para casa. Havia o passado o resto do dia ontem com Harry, haviamos ido comprar as coisas para o quarto de Meredith e algumas roupas para ela. Fui ao banheiro, fiz minhas higienes matinais e soltei meus cabelos. Peguei meu moletom e o vesti, o frio estava realmente ficando mais rigoroso ultimamente. Peguei minha bolsa e desci até o Hall do hotel onde Harry disse que me esperaria, assim que desci o vi lá fora encostado em sua Range Rover.
Caminhei até ele que sorria para mim, se aproximou de mim e selou nossos lábios, senti as maçãs do meu rosto corarem e posso ter certeza que sorri abobalhada por imediato.
Ele abriu a porta do carro para mim, entrei e me sentei a sua espera. Ele deu a volta no carro e entrou também, ele ligou o rádio que tocava One and Only da Adele, ele cantarolava junto e sorria, oque me fazia sorrir também.

You've been on my mind,
I grow fonder every day,
Lose myself in time,
Just thinking of your face,
God only knows why it's taken me so long to let my doubts go
You're the only one that I want.

Cada detalhe nele me deixava mais, como eu posso dizer, apaixonada? É, apaixonada, eu estou apaixonada, perdidamente apaixonada por ele.

-Está bem Seunome?
-Sim, por que não estaria?
-Está tão pensativa.
-Eu estava lembrando do colegial.
-Do que exatamente?
-Lembrei que muitas manhãs antes de ir para escola me pegava cantando seu nome, ou quando estava sentada no escuro e desejava que você estivesse ali, lembrei que você me fazia perder a cabeça nos ensaios do teatro quando queria me contrariar.
-Eu lembro que meu sangue fervia quando te via com o Luke. Eu já estava apaixonado por você.
-Por que nunca me contou?
-Eu era apenas uma zero a esquerda.
-Você era o zero a esquerda mais lindo que eu já vi.
-Idiota, eu te amo.

***

-Meredith! -exclamei quando ela veio até mim correndo e me abraçando, como era bom tê-la por perto de novo-
-Mamãe -ela já tinha esse costume e eu amava isso- Que saudades -afundou sua cabeça em meu pescoço e senti uma lágrima sua escorrer, abracei-a mais apertado e acariciei seus cabelos cheirando os mesmos-
-Não chore meu amor, como você está? Eu vim te buscar. -ela sorriu largamente assim como eu, ela olhou ao meu lado  viu Harry encostado no carro, ela correu e abraçou as pernas dele-
-Papai -ele se abaixou e beijou a testa-
-Estou aqui agora pequena, ninguém vai separar a gente mais.
-Então por que você e a mamãe brigavam?
-Isso não vai acontecer mais -ele olhou para mim sorrindo-
 -A gente vai ficar junto ? -ela perguntou inocente-
-Pra sempre -ele disse num sorriso-

___________________________________________________________________

Oi amores, como vão? Espero que muito bem, eu estou ótima (ninguém perguntou, masok) Então, não vejo a hora do feriado, a d o r o. Pra mim o carnaval só serve pra isso mesmo, huehue.
Um avisinho, eu e  minhas amigas criamos uma blog de imagines e estamos com três fics lá, dão uma passadinha ? Thanks, aqui o link (https://night-dreams-imagines.blogspot.com/)
Beijos e comentem ;) 

Try Again - Capitulo 4


Capitulo 4 - Justin

Escorregando para longe com o mundo ao seu comando, você canta para eu dormir e depois me bate acordado. É uma vida perfeita, uma vida perfeita \ Perfect Life - Moby 
Harry Voice's.

Abri meus olhos devagar e vi que Seunome dormia calmamente em meus braços ainda, sorri abobalhado por imediato. Me levantei vagaroso a deixando na cama, ela se aninhou na cama e eu coloquei uma boxer, vesti uma calça de moletom por cima e fui para a cozinha fazer café. Peguei minha xícara de café e caminhei até o quarto, me sentei na poltrona observando Seunome dormir. Ela dormia com um sorriso no rosto, ela sempre foi a garota mais linda que eu vi, me apaixonei por ela desde o primeiro momento que a vi naquela faculdade, mas me tornei para ela tudo que disse que eu nunca seria.
Ouvi a campainha tocar, me levantei devagar e fui até lá. Abri a porta e dei de cara com aquele desgraçado, o Bieber. Eu não entendia como alguém como a Seunome podia ser amiga desse vagabundo, esse cara não presta.

-Pois não? -tentei ser educado-
-A Seunome está? -ele perguntou calmo-
-Sim, mas está dormindo. O que queres com ela?
-Isso é um assunto entre eu e ela.
-Sou marido dela, pode me falar.
-Não, é melhor eu falar só para ela, você poderia chamar ela pra mim? É importante.
-Tudo bem, espere na sala -suspirei alto, ele entrou e se sentou, segui para o quarto e dei um leve balanço em Seunome- Acorda meu amor, você tem visita -a selei vendo abrir os olhos vagarosamente com certa preguiça- Bom dia.
-Bom dia -ela disse com a voz levemente rouca por conta de ter acordado agora, seus rosto estava inchado de tanto dormir e seus cabelos bagunçados, sorri ao ver aquilo, desde a primeira vez que a vi assim tive certeza que era isso que queria ver todos os dias ao acordar- Quem está ai?
-O Bieber -disse meio irritado e ela riu fraco- Eu vou me trocar para ir para o trabalho, se troque e vá falar com ele. -ela assentiu e e se vestiu indo rapidamente para sala-

Me troquei e passei por eles, conversavam calmos e distanciados sobre algo que não pude ouvir. Segui para meu escritório, dirigia calmo pelas ruas de Londres que estavam mais calmas que o normal hoje. Me lembrava de cada lembrança que tinha que com Seunome, eram tantas coisas eu não poderia imaginar como seria minha vida sem ela.
Parei meu carro enfrente ao prédio onde trabalhava, desci e fui até meu escritório. Tentava me concentrar no caso de meu cliente, mas tudo que me passava pela cabeça era ter deixado Seunome sozinha com Bieber em casa, eu não confio nele. Fui tirado de meus pensamentos por Annabeth minha secretária.

-Senhor Styles, mandaram entregar isso ao senhor -disse com um envelope na mão-
-Dê-me aqui -estendi a mão e ela me entregou- pode se retirar-
-Com licença -saiu da sala me deixando sozinho ali-

Abri o envelope sem pressa alguma, afinal realmente não estava com pressa nenhuma. Peguei o papel branco de dentro e  passei a ler o que continha nele.

"Sempre quis se dar de esperto, mas não passa de um idiota não é Harry Styles? Um advogado do seu nível não deveria acreditar em caras como eu, nunca mesmo. Deixar sua mulher sozinha em casa com um cara que a deseja para ele? Isso sim é burrice, deveria tomar mais cuidado, eu sei que você não é um ótimo marido, mas ela te ama, porém vai ter que se acostumar a viver longe de você.
Cansei de ver a Seunome apanhando de você ou sofrendo por você, ela merece alguém melhor. Não diga que não sou melhor que você, pois sou sim, nunca bateria em uma mulher, você deveria ter vergonha de si mesmo. Eu sei que ela nunca iria comigo por vontade própria, mas a levarei mesmo assim, contra a vontade, é o melhor para ela. Peço que deixe ela em paz, se realmente a ama vai querer o melhor para ela, e eu sei que não é ao seu lado. Sempre te informarei sobre ela, sei que a ama, não se preocupe, mas não a quero perto de você. Até breve Harry, não se preocupe, ela está em boas mãos. XJustin" 

Quem esse desgraçado pensa que é? Levar ela de mim é demais, isso só pode ser uma brincadeira de mau gosto de algum filho da puta. Sai apressado do escritório indo até a mesa de Annabeth.

-Quem te entregou aquele envelope?
-Um homem que nunca vi, não quis dizer o nome, só disse que era para o senhor e que era muito importante.
-Meu Deus, desmarque com meus clientes de hoje, fale que tive um imprevisto e que precisei sair. E peça desculpas.

Eu mal havia terminado de falar e já estava saindo dali, eu precisava ir para casa o mais rápido possível e ver que aquilo era apenas uma brincadeira me mal gosto mesmo. Peguei apenas meu celular, a carteira e a chave de casa, dirigi apressadamente para casa. O elevador nunca pareceu demorar tanto para chegar como agora, assim que cheguei no meu andar corri até meu apartamento. Procurei as chaves em meu bolso para abrir a porta, estava tão nervoso que me atrapalhava todo. Abri a porta e não vi ninguém na sala, um silêncio percorria a casa.

-SEUNOME? -gritei ainda com uma ponta de esperança de que ela respondesse, mas não. Não ouvi pronuncia alguma- MEU AMOR? ONDE VOCÊ ESTÁ?

Eu corria pelos quartos do apartamento a procurando, mas ela não estava ali. Corri para nosso quarto e ele permanecia do mesmo jeito que vi de manhã, o cheiro dela estava ali, mas ela não. Olhei encima da cama e vi apenas um bilhete "Adeus" eu sabia que não era a letra dela, era de Justin. Fui até nosso guarda roupa e era visível a quantidade de roupas retiradas dali, a mala que ficava embaixo da cama já não permanecia ali. Me sentei na cama, peguei sua camisola que estava na cama e senti seu cheiro ali. Senti uma lágrima quente escorrer por meu rosto, eu não podia deixar isso acontecer, eu iria a encontrar nem que fosse que a última coisa que eu fizesse, Justin pagaria caro por isso.

Continua...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------
Olá amores, como vão? Espero que bem. Bem eu tentei caprichar nesse cap, mas não saiu como eu imaginei ainda. O que acharam? Comentem por favor.
Um avisinho, eu e  minhas amigas criamos uma blog de imagines e estamos com três fics lá, dão uma passadinha ? Thanks, aqui o link (https://night-dreams-imagines.blogspot.com/)
Beijos, continuo com 5 comentários ;) 

Focus - Capítulo 1 (ATUALIZADA)


Eu me espremo no meio de dois caras de idade média, um gordo baixo e um alto magrelo, minha câmera está quase caindo das minhas mãos e tenho certeza que as fotos estão ficando uma verdadeira bosta, mas... Não custava tentar. Henford havia sido bem claro, queria as melhores fotos de Zayn Malik com sua noiva, Perrie Edwards enquanto eles estivessem em Los9 Angeles. E eu? Bom, eu já havia me metido em cada uma, eu consegui invadir o hotel, contatos servem para alguma coisa, né? Mas eles não estavam lá e no dia seguinte eu iria tentar novamente, entrar como empregada, com o uniforme de minha tia e única parente que conheço, Lola. Ela podia até ser demitida se soubessem que sou sobrinha dela, mas se arriscava mesmo assim. Eles finalmente entraram no carro preto de vidro fumê e foram embora sem dar um sorriso, mas sempre eram assim, o casal mais mal-humorado da face da terra. Me afastei da multidão de fotógrafos e fui andando pelas ruas enquanto revisava as fotos, iria mandar elas agora mesmo para Henford, talvez eu conseguisse a capa da revista de depois de amanhã, seria uma grande coisa para mim, que sempre fico com pedaços de 3cm de papel com a pior foto que eles tem minha. Eu acreditava no meu potencial, mas aqui em Los Angeles, eu era uma mera paparazzi, que corria contra o tempo para ganhar uma miséria por foto.
Parei no ponto de ônibus vazio e fiquei esperando o maldito ônibus para o centro do subúrbio passar, parecia maldição, sempre que eu tinha que pegar ele, ou seja, todo dia praticamente, ele demorava no mínimo 40 minutos para passar.
Quando cheguei em casa, já era pra mais de 2 da madrugada, minha gata, Sofie estava dormindo em cima da minha cama e soltou um miado preguiçoso quando me ouviu chegar.
-Oi meu amorzinho.- Disse fazendo carinho em sua cabeça.
Tomei um banho bem quente e coloquei uma roupa de dormir. Peguei o notebook em cima da mesa do escritório e sentei na sala para mandar as fotos para o Henford enquanto devorava uma pizza que esquentei no microondas e via os últimos episódios de Pretty Little Liars, ah, fala sério, eu tinha 19 anos recém completos, ainda era uma adolescente completa, mas que tinha responsabilidades de uma adulta de 25. Assim que mandei o email para o meu chefe de cabeça calva, barrigudo e com um humor negro, não deu dois minutos e meu celular tocou.
-Alô.
-Margo, queridinha, eu simplesmente adorei as suas fotos, exceto pela aquela que aparece a careca do cara, mas, isso acontece, enfim, já é sua a capa de depois de amanhã da revista.
-Sério mesmo Henford!?- Dei um gritinho histérico.
-Sim, sim e tem mais, tenho uma proposta, mas tenho que saber se você tá pronta para um desafio.
-Pode mandar chefe.
-Consiga fotos tão boas quanto essas amanhã de dia e você tem a entrada para a festa vip do black and white que vai rola em Los Angeles amanhã de noite no hotel Lucsy.
-OH MEU DEUS, pode contar comigo, você vai ter as melhores fotos, passo ai para buscar minha entrada amanhã de tarde.
-Tudo bem, vou esperar docinho.
Desliguei o telefone e soltei outro grito histérico. A fest black and white do hotel Lucsy era tipo: A MELHOR FESTA DO ANO DE LOS ANGELES. feliz com a notícia, eu desliguei o computador e fui dormir, amanhã seria um grande, grande dia.

♥ Apresentação


Oi, tudo bem com vocês? Bom, espero que sim. Meu nome é Mariana, mas podem me chamar de Mari, Maah, com preferirem. Eu sou a nova cdc, já conhecia a Jana (sou cdc da Rain Of Lonely Tears), bom, já vivi 13 invernos, moro no Rio de Janeiro, sou semideusa (Filha de Zeus), directioner e tributo (Distrito 12). Sou o tipo de pessoa que prefere ter uma biblioteca inteira como companhia do que uma pessoa. Bom, sou uma pessoa muito romântica, mas com azar no amor. Minha cor preferida é azul, tenho 1,53 de altura, estou no 9º ano do E.F II, meu cabelo é curto, porque eu sou doida e cortei ele, mas agora vou deixar crescer.
Enfim, não sou boa com apresentações, com o tempo vamos nos conhecer melhor, espero que gostem de mim, aceito sugestões, críticas, etc. Bom, minha fanfic aqui vai ser "As Long As You Love Me" (sinopse e personagens em breve). Eu estou gostando muito de escrever ela e espero que gostem de lê-la.
Um beijinho, Maah

PS: minha redes sociais
-Polyvore
-We Heart It
-Twitter

Imagine com Harry Styles - Superhero - Segunda Parte


Ela era conduzida da forma mais doce possível. Niall, que estava dançando com ela sabia disso. E ele gostava dela, nada mais justo do que deixar ele se divertir um pouco com a minha assistente. Bebia um pouco de vinho, e de vez em quando uma taça de champanhe.

O que mais me incomodou naquela noite, foi saber que ela não havia sido convidada. O baile estava espetacular. E ao saber daquilo, mandei colocarem seu nome na lista de presentes e pedi-la para usar o vestido que eu a dei. Me senti vitorioso ao vê-la. Ela estava estonteante com aquele belo vestido azul marinho, os cristais realçavam o brilho dos seus olhos quase não presentes no dia a dia, e parecia bem mais alta do que a vi noite passada.

Percebia os olhares maliciosos para cima dela, já que aquele decote realçava as suas curvas. Me sentindo incomodado mais uma vez, fui até Niall e pedi a mão daquela garota para uma dança.

Harry: Belo vestido. - Sussurrei perto de seu ouvido.

Você: Obrigada, foi você que escolheu.

Harry: Bem que disse, que eu tinha um ótimo gosto. - Falei dando um sorrisinho maroto.

...

Roupas estavam espalhadas pelo quarto, via um sutiã vermelho no pé da minha cama. A garota ao meu lado, por sinal, loira, dormia tranquilamente. Assim que criei coragem para me levantar, a conhecida retornou, minha querida ressaca. Fazendo com que resmungasse palavras quase inaudíveis, á minha percepção. Cambaleei até a cozinha esperando pela garota que sempre está ali quando eu preciso.

Afinal, cadê ela?

Com a mesma dor de cabeça, procurei por todos os cômodos tentando encontrá-la. Tentei ligar para o seu telefone e logo a ligação virava perdida. Espera, ela estava rejeitando as minhas ligações?

Como assim?

Liguei mais algumas vezes, e dessa vez, recebi em troca uma mensagem.

"Para de ligar, vai dormir!"

Era do Niall, o que ele estava fazendo com a (S/N)?

Simplesmente, com o pouco de estresse a dor sumiu. Me vesti, não ligando para a linda garota nua que se encontrava em minha cama. Se por algum acaso acordasse, o problema era dela. Khaya, eu acho que se pronuncia assim.

Dirigi por pouco tempo, mas o suficiente para perceber que ontem á noite eu tive uma ilusão. Poderia jurar que estava dançando e cantando a minha assistente, quando na verdade era só a Khaya. Coisa de bêbado, só pode. Quando bato á porta, meu amigo aparece apenas de calça moletom, com poucas olheiras e cabelos desgrenhados.
- Niall, cadê a (S/N)?

- Ela está preparando o café. - Disse coçando os olhos, como se eu o tivesse acordado. - O que você quer?

- A assistente é minha, lembra? - Rude, eu sei. Só estou cansado.

- Entra, idiota. Ela tá na cozinha. - Disse seguindo em direção ao corredor, quando notei em suas costas: poucas, mas visíveis arranhões.

"Ele por acaso, transou com ela?", pensei enraivecido. Segui em direção ao cômodo com os punhos cerrados e a vi, acho que com a parte de cima do moletom do Niall, cinza. Com uma perna apoiada na outra, formando um quatro, como nas posições de ioga encostada no balcão olhando para a xícara fumegante em suas mãos.

- Oi.

- Oi, Harry. - Ela disse meio surpresa, tentando(disfarçadamente) abaixar a blusa que vestia. - O que você tá fazendo aqui tão cedo?

- É que, é meio difícil acordar sem você me esperando. - Digo me aproximando. - Tentei te ligar, mas você não atendia.

- O Niall me falou, você está me esperando? - Disse se desencostando do balcão e abrindo uma mochila, que eu lembro ser sua, e pegando uma agenda. - Não temos nenhum compromisso hoje, Harry. Além disso, é o nosso dia de folga.

- Ahm, tudo bem. - Digo coçando a cabeça. - É melhor eu ir embora, e deixar vocês em paz. Tchau!

 Fui rapidamente em direção a porta, sendo seguido por ela, que colocou suas mãos gentilmente em cima dos meus ombros.

- Me diz o que foi.

- Você e o Niall, é, transaram? - Digo um pouco atrapalhado.

- Sim. - Ela respondeu, normalmente.

- Tchau. - Eu digo e lhe roubo um selinho. Simplesmente aconteceu, involuntariamente.

- Tchau. - Ela disse colocando sua mão por cima da boca, onde há poucos instantes eu a tocava.

Sorrimos abobalhados.

Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6

Hanna Ashley

LongFic - She's Not Afraid - Capitulo 4


Capitulo 4 - Eu te amo.
Baby, baby, você está ouvindo? Me pergunto por onde você andou toda minha vida, eu acabei de começar a viver / Adore You - Miley Cyrus
 Harry Voice's


Um misto de amor e de medo tomavam conta de mim, eu não sabia se havia feito o certo com esses beijos, mas fora tudo que passou pela minha mente naquele momento. Eu estava disposto a fazer daquela noite a melhor de nossas vidas, e essa fora o primeiro passo. Minhas mãos seguravam o rosto dela e as dela pousaram em minha nuca, faziam caricias ali. Eu juro que por tudo que é mais sagrado que tudo que eu queria era parar o tempo nesse momento, somente isso. Separei o beijo pelo ar que se fez preciso, maldito ar. Ela me olhou por alguns segundos recuperando o ar e logo após olhou para céu.


Eu não sabia se ela estava preparada para ir onde eu pretendia leve-la, eu queria fazer dessa noite algo inesquecível para nós dois. Eu queria poder sentir cada centímetro da pele dela e eu sabia depois daquele beijo que só eu poderia agitar o mundo dela. Eu queria ser a tranquilidade dela em meio a tempestade, não importaria onde nós estaríamos, eu queria estar com ela para sempre. Eu queria essa noite poder conhece-la por completo, eu queria ser a pessoa em quem ela pudesse confiar. Eu sei que passarei minha vida tentando entender tudo isso, mas não me importa. Quero apenas que ela feche os olhos e abre a boca, me deixando a beijar por completo. Ela me olhou e sorri de leva recebendo um sorriso recíproco.

-A partir do momento, que eu conheci você tudo mudou, eu sabia que tinha que chegar em você, seja qual for a dor. Mas, só depois de oito anos eu tive coragem. Não sei se você está preparada para ir aonde pretendo levá-la, mas acho que você sempre gostou de lá -puxei-a pela mão levando par fora da multidão , direcionei-me ao meu carro abrindo a porta para ela que agradeceu e se sentou-
-Isso está me assustando.
-Eu não irei te fazer nenhum mal.
-Mas foi tudo tão... repentino ?
-Bem, eu não tive muito tempo para bolar algo perfeito...
-Tudo bem, está sendo melhor que os outros, mas Harry e Meredith? Como está sendo o natal dela ? -falou abaixando a cabeça se lembrando da pequena- 
-Sabe que pela primeira vez havia me esquecido de tudo isso...

***

Eram quase quatro da manhã e eu estava sentado no parque St.James com Seunome rindo, sua risada me contagiava. Por ser um parque pequeno e como poucas pessoas o visitavam estavam tudo tão calmo, eu sabia que Seunome gostaria daqui. Contava-mos coisas sobre nós mesmo que quase ninguém sabia, assim como eu ela também permanecia sozinha e ainda tinha certa esperança de encontrar alguém a quem amasse, ela nunca havia se apaixonado e eu estava a procura do amor verdadeiro, o qual eu sabia que encontraria somente ao lado dela.
 "Não foi desejo. Nem vontade, nem curiosidade, nem nada disso. Foi um choque elétrico meio que de surpresa, desses que te deixa com o corpo arrepiado, coração batendo acelerado e cabelo em pé. Foi sentimento. Não foi planejado, nem premeditado. Foi só um querer estar perto e cuidar, tomar todas as dores e lágrimas como se fossem suas. A vontade e o desejo vieram depois, bem depois. Não foi um lance de corpo, foi um lance de alma. Não foram os olhos, nem os sorrisos, nem o jeito de andar ou de se vestir, foram as palavras. Uma saudade e uma urgência daquilo que nunca se teve, mas era como se já tivesse tido antes. Foi amor. É amor." (Nota da autora: Esse texto lindo destacado pertence a Tati Bernardes, créditos)

-Você já se apaixonou Senome? Se apaixonou a ponto de ficar perdida?
-Cheguei a gostar de uns caras, mas nunca "me apaixonei" ou pelo menos acho que não.
-Sabe eu já me apaixonei, já sofri por amor. Eu já chorei por estar a milhares de "km" de uma garota que eu amo. Mas eu cresci e hoje essa dor essa só minha, mas é algo que não me incomoda como antes. Só fica aquele buraco no peito de abandono, falta e solidão. Falta de algo que eu nunca pude ter, falta de um abraço que talvez eu nunca vá receber. Mas, eu aprendi que o amor é isso. Amar é sorrir, mas também é chorar. Amar é sentir alegria, mas também sofrer. 
-Você fala bonito -ela sorriu-
-Eu ainda tenho mais um presente pra você.
-O que é?
-Surpresa.
-Quando vai me dar?
-Isso pode demorar um pouco.

***Semanas Depois***
Seunome Voice's.

 Eu caminhava para o escritório do meu advogado que me ligou as pressas dizendo que tinha uma ótima notícia, eu fiquei meio curiosas -muito- e vim o mais rápido que pude. Vi um carro conhecido ali, mas pensei que não poderia ser. Entrei na sala de Lucas que tinha um sorriso vitorioso no rosto.

-O que foi Lucas? O que é tão bom e importante pra você me ligar em horário comercial.
-A guarda de Meredith é sua.
-Como assim?
-Harry renunciou a guarda dela, não vai mais lutar na justiça por ela.
-Por que não?
-Não sei, foi repentino.
-Meu Deus -coloquei a mão na boca- Quando eu posso ir pegar ela?
-Amanhã de manhã vamos até o abrigo do governo onde ela está.
-Obrigada, passo aqui amanhã de manhã.

Sai em disparada, precisava encontrar Harry e perguntar o porque disso. Eu não havia o visto desde o natal, ele me disse que tinha outro presente, mas não havia me dado mais nada, seria isso? 
Ao sair da porta do prédio do escritório senti uma mão me puxar, quando vi meu corpo estava colado ao dele.

-Gostou do presente?
-Por que fez isso? Você a ama.
-Porque eu também te amo -ele me beijou e eu? Bem eu não sabia o que dizer, mas ele havia me dado o melhor presente de toda minha vida- 

Continued...

Apparently - Capítulo Trinta - Companheiro


- No capítulo anterior -

...

Ela enfim desistiu, jogou seu casaco novamente no chão e se esticou na primeira cama que viu, relendo a verdadeira cópia do folheto:

Trair a confiança da amiga, dá nisso: culpa.
Viver com uma garota que te odeia, dá nisso: raiva. 

Ver o seu (ex) ficante namorando a sua melhor amiga, dá nisso: ciúmes.

Passar tanto tempo longe de casa, dá nisso: saudades.
Ver o seu melhor amigo longe, dá nisso: solidão.

- Narradora On -

 Louis: Você gosta mesmo dele, do Niall? - Ela assentiu. - Tudo bem.

Emma: Eu preciso de ajuda, só isso. Eu quero esquecer ele. - Disse suspirando - Eu achava que amava ele, mas percebi que eu só sentia atração. Já que ele foi uma das pessoas mais legais que eu já conheci, fomos amigos de infância. Eu fico imaginando antes de dormir que um dia eu e ele estaríamos casados, com três filhos. O Theo estaria paquerando a nossa filha mais jovem e o Niall odiaria isso. - Sorriu olhando para Louis. - Eu o acalmaria, lhe daria um beijo e tudo ficaria bem.

Louis: Eu nem sei o que te dizer. - Disse passando a mão na cabeça da garota.

Emma: Me desculpe. - Falou secando algumas lágrimas. - Eu não sou de fazer muito isso.

Louis: Tudo bem.

Emma: Eu não o amo, ele é só um garoto bonito. - Disse dando de ombros.

...

(S/N) andava pensando muito no seu amado, não conseguia tirá-lo da cabeça há semanas. Nem nas suas aulas de literatura inglesa - que era a sua matéria favorita, a garota conseguia prestar atenção. Consequentemente, suas notas foram caindo com a base do tempo. E para melhorá-las, o professor pediu para que fizesse um resumo sobre os últimos assuntos de sua matéria. Logo, ela estava trabalhando nisso:

Louis: Oi (S/N), topa sair comigo hoje?

Você: Eu tô meio ocupada.

Louis: Aquele negócio de literatura, de novo?

Você: É, eu preciso melhorar.

Louis: Tudo bem, te pego mais tarde. - Disse e saiu correndo pela biblioteca.

Harry: Esse Louis. - Disse sorrindo, ao notar a presença da garota. 

Sentou-se junto á ela e começou a ler um livro, aquele livro.

Você: Alice no País das Maravilhas? - Perguntou o fitando desconfiada. - Você gosta de fantasia, Harry?

Harry: Gosto sim. Comecei a ler hoje, ele é do Niall. - "Ah", ela respondeu. - Então, sobre o que vocês estavam conversando?

Você: Nada importante.

Harry: Hum. - Respondeu levantando as sobrancelhas e voltou a ler o terceiro capítulo.

...

Louis: (S/N), quer namorar comigo?

Você: O quê? - Retrucou assustada.

Louis: Quer namorar comigo? - Respondeu sorrindo falsamente. Tão falso que a garota começou a olhar para os lados procurando por algum dos meninos. - Por favor, (S/N). Mais tarde você vai entender. - Respondeu segurando o braço da garota.

Você: Quero que me explique agora.

Louis: Arg, tudo bem. - Assim a levou para a roda gigante, e como estariam lá em cima em sua própria cabine, não correria o risco de alguém saber de nada. - Olha, eu sei que você gosta do Niall e toda aquela baboseira de gente apaixonada por quem não deve. Mas eu pensei em um plano, louco, mas um plano que você poder gostar.

Você: Continua.

Louis: O Niall vive falando mal de você, mas todo cara sabe que quando isso acontece, é porquê não consegue tirar a garota da cabeça. Até que o Niall e o Harry estão meio brigados porque, você sabe, que o Harry gosta de você. - Disse e ela deu uma reviradinha de olhos. - Pensei que se você namorar comigo, você pode continuar o plano de sair com o Niall escondido, já que a Eleanor anda desconfiada.

Você: Mas que plano idiota é esse, Tomlinson? - Ele deu de ombros fazendo careta.

Louis: Eu só pensei. Mas e aí, o que você acha? - Perguntou olhando para um ponto fixo lá em baixo, qual ela seguiu com os olhos e percebeu que Eleanor e Niall estavam os observando. - Eles pensam que eu vou te pedir em namoro hoje, então é melhor decidir logo.

Você: Eu topo, Louis!

- Você On - 

Depois de darmos um beijo "apaixonado" na frente do outro casal, a roda parou e descemos de mãos dadas. Eleanor ficou animada com a ideia de estarmos namorando, disse até que fazemos um belo par. Mas eu acho que aquilo é só falsidade, claro que ela deve estar adorando a história, já que ela finalmente pensa que eu vou tirar os olhos do seu homem. Que ridículo. Sobre ela saber, quem não percebeu?

Estava andando no jardim da escola, era de madrugada e por sorte dois ou três inspetores não perceberam a minha presença ali. Tinha recebido uma ligação do Zayn, pedindo urgentemente para que eu o esperasse ali. Escutei a buzina de uma moto e virei para trás, sem motivos, e vi ele. Fui chegando mais perto para não ter que falar alto, e disse:

- Zayn, o que você está fazendo aqui? - Perguntava andando para ficar ainda mais perto, encostada na grade, enquanto ele tirava o seu capacete. Revelando olheiras, cara de choro e uma barba mal feita.

Zayn: Vim ver a Donna. E principalmente, vim ver você. Quero conversar contigo sobre a Claire, agora. Sobe na moto, que eu te explico.

E aí, txutxucas!
O que vocês acham que tá precisando melhorar?
Podem deixar sugestões, criticas e me perdoem caso tenha algum erro.
Espero que estejam bem, eu tô suuper lotada de tarefas D':
Até mais!
XOXO
Hanna Ashley

Try Again - Capitulo 3 (Hot)


Learning To Love - Capitulo 3 (Hot)

O amor não é um lugar para ir e vir quando como desejamos. É uma casa que entramos e nos comprometemos nunca partir. \ Love is Not a Fight - Warren Barfield

Ninguém sabe ao certo dizer o que é exatamente o amor, é algo complicado que a gente simplesmente sente. É de fato inesperado, quando você percebe está acorrentado a ele e suas consequências. É algo completamente irracional, quanto mais se ama, menos tudo passa fazer sentido. É como se você se jogasse de um precipício, mas rezar que nunca chegue ao chão. Não vemos, mas acreditamos que á sim um pouco de amor dentro de nós, pelo menos em boa parte das pessoas. Pode nos tornar fracos, o amor nos torna fraco sim, nos faz prisioneiro de um sentimento que tanto machuca, mas também é tão belo. Nos faz tomar escolhas difíceis, mas que são as certas, ou não. 
Quando conheci Harry descobri isso, ele me fez criar sonhos, expectativas. Quando tudo parecia dar certo, deu errado, mas só então percebemos que o amor é feito de altos e baixos, que é ele que vai te salvar. Quando  você sem fé, sem rumo, sem foco. É esse sentimento tão puro que iá te ajudar, é ele que irá te guiar até o seu porto seguro. Quando se ama, até mesmo o orgulho pode ser vencido, nunca pude controlar meus sentimentos e com Harry não foi diferente. 

-Você está bem Seunome? Tão calada -ele disse me olhando-
-Eu penso em como isso é estranho, não entendo isso.
-Eu já te expliquei.
-Eu sei... Eu queria esquecer por um momento algumas coisas que de alguma forma me fazem tão mal. Queria esquecer as vezes que você já me fez chorar com apenas uma palavra.
-Me perdoe, eu ainda estou aprendendo a amar. Eu não posso te perder, porque quando você ama sente necessidade da outra pessoa. Não por dependência, carência e outras coisas. Mas porque é bom estar ali, com o corpo junto, coração do lado, ouvindo a respiração. Você se sente em casa. Eu preciso de você, eu preciso de você para viver, para sorrir, eu preciso de você pra respirar, preciso de você pra poder dormir em paz todas as noites, preciso de você pra acordar e ter forças pra continuar, eu preciso de você pra ser o que eu tenho de melhor, preciso de você em minha vida a todo instante. Preciso de você o tempo inteiro, motivo da minha felicidade. Preciso de você pra me sentir feliz, meu ar, meu mundo, meu tudo. Preciso de você pra me entender, pra reclamar comigo quando eu estiver errado. Preciso de você pra ter sempre aquela paciência, preciso de você pra me ensinar o grande sentido da vida e pra ter um também, que no meu caso ele é você. Você é o que dá a minha vida algum sentido. Preciso de você simplesmente porque é a parte de mim, que eu mais quero e que eu desejo a todo instante, preciso de você cada dia mais e mais. Você sabe que eu não sou nada sem você nesse mundo ou em outro qualquer lugar. Você enche meu coração de esperanças nos dias mais tristes, você me faz bem com um simples sorriso, uma simples palavra, com um simples gesto, com qualquer coisa eu fico feliz, basta eu estar ao seu lado. Basta eu te ter comigo. Então continue comigo, continue sendo o motivo do sorriso estampado em meu rosto. Continue sendo minha força quando me sinto fragilizada. Continue comigo mesmo que eu te dê motivos para partir. Só quero que você fique permanentemente ao meu lado. Não serve outra pessoa, tem que ser você, apenas você.

***

Já era tarde estávamos chegando no apartamento, ele havia me tratado bem a noite toda como a tempos não fazia. Fechei a porta e Harry me encostou na mesma me beijando, suas mãos passeavam por meu corpo. À medida que o beijo se tornava mais intenso, mais eu queria que a distância entre nós diminuísse o mínimo possível. Minhas mãos não se decidiam entre seus ombros, suas costas, seu peitoral e seu abdômen. Eu precisava recordar cada parte daquele corpo que eu tanto desejava, o corpo que me completava e do qual eu sentira tanta falta de explorar cada pedaço. A tempos eu e Harry não fazíamos mesmo amor, se amor e sexo tem diferença ? Sim, muita. Sexo você pode fazer com qualquer, é algo mais corporal. Amor é algo feito com sentimento, é algo que você faz somente com quem realmente ama. Mas, a tempos que eu nem sentia mais sequer prazer em estar nos braços do meu marido.
Suas mãos não paravam de se movimentar. Ele quebrou o beijo, ofegante, e segurou meu rosto entre suas mãos, enquanto sorria.

- Senti tanta falta disso... – Sussurrou. Não soube se ele se referia ao beijo, à viagem de suas mãos ou à sua mania de observar meu rosto que sempre me deixava envergonhada -
-Eu também...
-Prometo ser melhor dessa vez -roçou nossos lábios- Eu te amo...
-Ele também te amo -senti nossos lábios se colarem outra vez- 

Seus dedos brincaram com o zíper do vestido que eu usava, descendo o mesmo aos poucos   era quase tocável o desejo em seus olhos. Minhas mãos passeavam pelo corpo dele, por todo ele mesmo, sentia ele arrepiar com alguns toques meus. Desabotoei os botões da camisa azul marinho dele vagarosamente, soltamos o beijo e eu pude jogar a camisa dele no chão. Ele desceu os beijos para meu pescoço me fazendo suspirar e fechar os olhos, minhas mãos bagunçavam seus cabelos. Não demorou muito para que meu vestido caísse no chão, as mãos de Harry passeavam por meu corpo, acariciando cada parte dele. Levei minha mão a barra da calça dele, enrolando para a descer.

 - Não me provoca, Seunome... Ou você vai se arrepender. – Seu tom rouco era uma tentativa de ameaça, porém eu só achei completamente sedutor.

Suas mãos desceram para as minhas coxas e as apertaram, indicando o que Harry queria. Me apoiei em seus ombros para tomar impulso e envolver seu quadril com minhas pernas, as quais ele explorava vorazmente, apertando-as de vez em quando e me fazendo estremecer. Aquele toque era único.
Meus lábios se direcionaram ao seu pescoço e comecei a beijar, mordiscar e sugar o local, arrancando suspiros pesados de Harry, que ainda matava as saudades de minhas pernas.
Voltei a beijar seus lábios e ele me desencostou da porta, espalmando suas mãos em minha bunda para me segurar, obviamente se aproveitando disso. Minhas mãos puxavam seus cabelos sem piedade enquanto ele caminhava, retirando uma de suas mãos de meu corpo apenas por um segundo. Logo descobri que era para abrir a porta do quarto, já que, assim que entramos, Harry me jogou sem delicadeza alguma sobre a cama.
Seus olhos me observaram por alguns segundos, me fazendo corar, e Harry sorriu, se deitando sobre mim. 
 Senti seu hálito bater em meu ouvido e logo sua voz sussurrou:

- Tem certeza de que você realmente quer isso? – Perguntou, me fazendo abrir os olhos e encará-lo. Será que ele não me queria mais como antes? – É o que eu mais quero, mas não pretendo te obrigar a nada e...
- Acho que agora você devia calar a boca. – Sussurrei e ele riu, voltando a beijar-me.

Fui descendo a calça  dele aos poucos com meus pés, ele mesmo tratou de terminar de tirar a a própria calça. Estávamos os dois apenas de roupas íntimas, nossas mãos não se decidiam em um só lugar e os olhos dele me observavam.  Fiz força para que invertêssemos as posições e consegui, ficando sobre ele com uma perna em cada lado de seu tronco; observei seu abdômen e seu peitoral nus e fortemente definidos, o que me fez morder o lábio inferior.

- Vai ficar só olhando? – Harry perguntou, a voz levemente ofegante, e ele sorria quando o olhei.
- Vai sonhando. – Rebati, fazendo-o rir e minhas mãos tocaram seu corpo, arranhando-o.

Senti-o arrepiar sob minha pele e comecei a beijar onde minhas unhas tocavam, mordendo sem piedade algumas vezes, sendo mais enérgica ao mordiscar seus mamilos, causando um suspiro de sua parte.
Ao chegar embaixo de seu umbigo com meus beijos, mordi o local e minhas mãos a barra de sua boxer, a qual não fiz delongas para retirar.  Voltei a beijá-lo, tendo meus lábios mordidos e sugados pelos seus, o que me fez gemer. Harry inverteu novamente as posições, desenhando o contorno de meu corpo com suas mãos, as quais logo foram para o fecho frontal de meu sutiã. Vi meu sutiã cair no chão do quarto, mas nesse momento não estava me importando com isso. Ele partiu o beijo e foi descendo os beijos, deixando rastros quentes por onde passava, suas mãos acariciavam meu seios e ele ia descendo os beijos por minha barriga até chegar em minha calcinha, a qual ele tirou com os dentes.

Sua boca que buscou meus seios agora, sugando-os e mordendo, causando o mesmo efeito em mim – porém mais forte – e afundei meu dedo em seus cabelos, puxando-os. Harry resolveu sugar meus mamilos rígidos e tive que morder o lábio para não gritar; ele contornou-os com a língua e então subiu seus beijos até meu pescoço, jogando seu peso lentamente sobre meu corpo e nos fazendo deitar novamente. Seus lábios foram até minha orelha, mordiscando o lóbulo, causando um arrepio em mim.

- Sabe a melhor parte de estarmos juntos por cinco anos? – Sussurrou ainda próximo ao meu ouvido com a voz rouca, recebendo minhas unhas fincadas em suas costas como resposta.

Harry ergueu o rosto e olhou em meus olhos, enquanto suas mãos desciam pela lateral de meu corpo.

- Eu sei exatamente o que você gosta. E como você gosta. – Um choque elétrico percorreu meu corpo diante de tão incontestável e provocante frase.

Seus dedos lentamente tocaram minha intimidade com movimentos de vai-e-vem e circulares em torno do clitóris, não deixando que eu me importasse com os incontroláveis gemidos que agora escapavam de meus lábios, apenas com o prazer que ele me causava.
Os seus movimentos se tornaram ainda mais rápidos, entretanto ele parou de súbito, causando um gemido de reprovação de minha parte.

- Harry... – Pedi, a voz ainda desestabilizada.
- Sim, meu amor, o que deseja? – Perguntou cínico, acariciando minhas pernas.

Ao invés de respondê-lo com palavras, puxei seu rosto com força contra o meu, beijando-o intensamente e querendo sugá-lo para dentro de mim. Não demorou para que eu sentisse seus dedos voltarem a agir, dessa vez com movimentos lentos e torturantes... Exatamente como eu gostava, assim como ele dissera.
Fui pega de surpresa com dois de seus dedos me penetrando e foi impossível não quebrar o beijo para gemer, observando de forma distorcida seu sorriso satisfeito. Ele movimentava-os insanamente rápido em meu interior, não demorando a causar o meu primeiro orgasmo. Harry beijou-me, transmitindo todo o desejo que sentira por aquela situação e eu mal conseguia respirar direito. Seus lábios se separaram dos meus e ele olhou em meus olhos.

- Eu poderia te beijar para o resto da vida... Se eu não tivesse uma ideia melhor para o momento. – Meu coração pareceu saltar em meu peito e Harry mordeu meu lábio inferior com força antes de refazer o mesmo caminho de beijos que já fizera anteriormente e chegar ao mesmo destino.
Ele afastou minhas pernas delicadamente e eu senti o calor de sua língua me tocando e me fazendo gemer mais algumas vezes – para se somarem às incontáveis que ele já provocara. Sugou-me com força e me agarrei ao lençol ao meu lado para não gritar, apertando-o ainda mais cada vez que Harry repetia o ato, cada vez com mais intensidade e me levando à loucura.
Seus dentes arranharam levemente meu clitóris e depois o morderam com força, causando um misto de dor e prazer completamente surreal e me tornando incapaz de conter reações sonoras. Alguns minutos de paraíso depois, uma formigação conhecida invadiu meu corpo, avisando meu segundo orgasmo.

- Te falei para não me provocar. – Sussurrou com os lábios próximos aos meus mais uma vez e eu não era capaz de expressar qualquer reação que fosse.
Recuperei-me o mais rápido possível com sua língua acariciando a minha e suas mãos explorando meu corpo sem pudor; deitei-me sobre seu corpo e beijei e arranhei-o até chegar ao seu membro um tanto quanto rígido já. Olhei para cima e sorri ao ver sua expressão quase angustiada.

 Eu acariciei o interior de suas coxas, apertando-as. Beijei sua glande, sentindo-o estremecer, e então voltei meu rosto para cima, beijando seus lábios e deixando minhas mãos descerem por seu corpo até alcançar e envolver seu membro pulsante de tão rígido.
Comecei a masturbá-lo lentamente e suas mãos apertavam minha cintura à medida que eu o fazia. Alternava os movimentos entre rápidos e lentos, o fazendo soltar resmungos de reprovação. Resolvi que movimentaria minha mão lentamente e ele separou seus lábios dos meus.

- Seunome... – Sua voz era quase implorante e eu sorri.
- Sim, meu amor, o que deseja? – Usei a mesma frase que ele utilizara comigo, vendo seus olhos se preencherem de uma mistura de sentimentos e ele agarrar meu cabelo, me puxando para um beijo.

Acelerei meus movimentos o máximo possível e Harry suspirava continuamente, tentando inutilmente me beijar. Quando ele pareceu não aguentar mais, inverteu as posições e retirou uma camisinha da gaveta do criado-mudo. Retirei-a de sua mão e ele sorriu, observando-me colocá-la nele com cuidado.
Ele olhou fundo em meus olhos mais uma vez e então sussurrou:

- Eu te amo. – Beijou a ponta de meu nariz ao terminar de falar e eu sorri.

E logo o senti me invadir, com força e de uma vez só, causando um gemido simultâneo de nós dois. Ele esperou alguns segundos antes de investir novamente, dessa vez lentamente e apenas pela metade, mais uma vez me provocando – e se provocando por conseqüência.
Não precisei pedir para que seus movimentos se acelerassem e intensificassem, o próprio Harry não aguentou o ritmo e investiu rápido, se colocando inteiramente dentro de mim, quase me rasgando por dentro. Minha boca dava som a palavras desconexas e meus olhos se reviravam em suas órbitas com o prazer de me sentir preenchida por ele, de sentir nossos corpos fundidos em um só.
Não demorou para que eu chegasse a mais um orgasmo, logo sendo acompanhada por ele.

Seu corpo caiu sobre o meu, inteiramente suado e ofegante. Comecei a fazer um cafuné, enquanto eu mesma tentava normalizar minha situação. Harry se levantou da cama de repente e foi até o banheiro. Voltou pouco depois, já livre da camisinha. Deitou-se novamente e me puxou para deitar em seu peito, enquanto dedilhava carinhosamente as minhas costas e cintura. Fiz alguns desenhos desconexos em seu abdômen, até que ele levantou meu rosto e sorriu o meu sorriso predileto, dando-me um beijo suave. Afundei meu rosto em seu pescoço, notando que Harry se arrepiou levemente com o encontro de minha respiração e sua pele.

- Seunome... – Ele chamou e eu o olhei. –  Senti falta disso -não soube se expressar-
-Eu também Harry -o selei-

Narrador on.


E ali ambos adormeceram juntos, com pequenos sorrisos formados em seus lábios. O tempo havia passado, muitas coisas haviam mudado, mas ainda havia dentro deles um grande sentimento, o amor. Era um sentimento puro, ingênuo, sem restrições. Mas, que estava se debilitando por conta das crises inexplicáveis de Harry. Ele tinha um medo de perder a mulher, mas suas atitudes impulsivas não ajudavam em nada. 
Eles haviam construído uma história linda até aquela noite, e agora queriam retomar essa história apagando esse pesadelo. Nunca se é tarde para amar, nem para dizer eu te amo. Ninguém sabia explicar como o amor havia surgido ali, mas como dizem por ai "o amor é como um passarinho, canta sem ter pena e nasce sem ter ninho" . Eles estariam sempre juntos, mesmo quando estivessem completamente perdidos. Eles eram os melhores juntos, onde quer que fosse, no trabalho, em sua cama, em passeios, quem os via inveja porque pareciam um casal perfeito.
O roteiro da vida deles já estava escrito, ninguém poderia mudar aquilo. Seunome não poderia negar que Harry havia a ajudado demais, ela se sentia na beira de um abismo, se sentia ferida, mas não a cura para o que não é doença. Foi então que ele apareceu, a guiou, a fez se sentir feliz e mostrou a ela, o que era o amor. As vezes o amor parece querer rasgar em pedaços, para que ele possa guardar os pedaços em pote e no fim tentar juntar tudo novamente.

Londres, 2008.

Harry acordou com o som de seu celular tocando e resmungou se levantando. "Quem diabos liga para alguém em plena quatro horas da madrugada?" -ele pensou e pegou o celular, leu Raphael na tela. Por que o irmão de Seunome o ligava essa hora ?

-Alô? -ele disse com uma voz rouca e sonolenta-
-Harry, me diz que a Seunome está ai com você? -ele respondeu meio desesperado-
-Não, ela não está. Por quê? -Harry começou a se preocupar-
-Ela saiu para ir na casa da Ana e não voltou, disse que antes da meia noite estaria de volta, mas já são quatro da manhã e nem sinal dela dude.
-O QUE? ONDE É ISSO ?-alterou sem tom de voz devido a preocupação-

***

Faziam exatos cinquenta minutos que o carro de Harry rodava por Londres, mas até agora nem sinal de Seunome. Ele parou em uma lojinha de conveniências para comprar uma garrafinha de água, foi então que ouviu uma senhora falar.

-Não tive coragem de parar meu carro, parecia uma perfeita emboscada. Uma garota caida em meio a chuva como se tivesse acontecido algum mal. Estava á um cem metros daqui.

"Garota, mal, Seunome" -ele pensou e saiu em disparada deixando a água e o dinheiro parar pagar ali. Pegou seu carro e dirigiu com pressa até lá, viu a mesma caida na grama do pequeno parque. Saiu do carro em disparada e a pegou em seu colo.

-Seunome, fala comigo meu amor -ele tentava ver algum sinal da noiva, mas nada. Ela tinha a pele gelada, por conta de toda chuva que deveria haver tomado. Os lábios roxos, a cabeça e os braços se penderam para baixo. Ele a levou para o carro e a colocou a coberta que havia trazido nela- Você vai ficar bem Seunome, eu vou te salvar. Eu te amo -ele havia pronunciado aquelas palavras pela primeira vez a ela, mas aquilo havia valido como um juramento-

Continued...

Oi


~oi

Oi, só passei aqui para esclarecer alguns pontos. 
Vou continuar a escrever, porém, apenas Longs e imagines. Entretanto a fic Burn está cancelada
Quero deixar minhas sinceras desculpas a quem eu tratei de maneira grossa. Poderia estar em um dia não muito bom, ou essa pessoa me tratou da mesma forma. 
Gentileza gera gentileza, para grosseria, a mesma coisa. 
Me respeitem mais e a minha opinião que terão isto em troca, seja educado nos comentários
Não faço drama, só espero de vocês um retorno. 

É isso
Jana

Try Again - Capítulo 2



Capítulo 2 - Pra sempre.
Amá-lo é como dirigir um Maserati novo numa rua sem saída, Mais rápido que o vento, apaixonado como o pecado. Acabado tão de repente / Red - Taylor Swift
Acordei com a minha perna latejando, não era uma das piores dores que eu havia sentido, mas não deixava de ser horrível. Sentia os braços de Harry em minha volta, o seu cheiro de álcool já não exalava mais, estava sem camisa, eu podia sentir sua pele grudada a minha camisola, o cheiro forte de seu perfume impregnava os lençóis de nossa cama. Tentei me levantar, mas ele era mais forte que eu e seu abraço estava muito apertado, parecia que tinha medo que eu fugisse dali, coisa que eu nunca faria. 
Me virei o olhei, mil lembranças corriam por minha mente vendo seu rosto tão bem esculpido a minha frente. Me lembrei de como eu era feliz antes de tudo isso começar. O conheci na faculdade, eu era estudante de pedagogia e ele de direito, lembro-me de como ele era apaixonante. Não tinha sequer vergonha de me mostrar o quanto me amava, quando me encontrava pelo corredor da universidade e me puxava colando nossos corpos, dançando e me girando. Na minha memória todas as pequenas memórias são como punhais, na minha cabeça enquanto ela sangra eu procuro palavras que eu nunca vou encontrar, mas que eu sempre quis dizer a ele, mas também não posso.
Eu sou forte, mas o quando o assunto é Harry Styles tudo muda. É por isso que eu não conto às pessoas sobre nós. Eles não iriam entender, e não sinto necessidade de explicar, simplesmente porque sei em meu coração como foi real. Tentei me levantar em vão, Harry acabou acordando comigo me mexendo. Ele abriu os olhos vagarosamente e olhando para mim soltou um pequeno sorriso, que foi seguido por ele selando nossos lábios.

- Bom dia babe -ele disse com um pequeno sorriso nos lábios-
-Bom dia -sorri de canto-
-Você está bem?
-Na medida do possível acredito.
-Me perdoe por ontem, eu estava fora de mim.
-Como sempre, mas você que eu te perdoou, como sempre também.
-Eu fiquei fora de mim quando vi aquele cara.
-Você sempre fica fora de si, estava evidente que você havia bebido também.
-Eu só bebi para aliviar a tensão do trabalho, se ao menos eu chegasse em casa e tivesse minha mulher para conversar ou ficar ao meu lado talvez isso não fosse necessário.
-Quer jogar a culpa em mim agora? Por favor Harry, eu sempre estive aqui com boa intenção, mas quase sempre você acaba me machucando de uma forma ou de outra, como queria que eu me aproximasse?
-Me desculpe -ele abaixou o olhar-
-Eu sempre vou te desculpar, porque eu te amo. 
-As vezes eu pego pensando em como seria minha vida sem você e eu percebo que eu não seria nada sem você, se você tivesse me deixado da primeira vez para ir morar com seus pais eu acho que enlouqueceria.
-Eu sei que vai doer e que todos vão estar contra, mas eu vou estar segurando as pontas com você, porque afinal, o amor é isso, bater de frente com o mundo, mas não deixar de amar.
-O que aconteceu para que tudo chegasse nesse ponto?
-Seu ciúmes. Não sei o que me aconteceu, não sei se isso renderá alguma coisa. Só sei que em minha cabeça se relembrou tudo o que passamos. Lembra de como nos conhecemos? Uma madrugada de sábado a noite. Trocamos números e começamos a conversar, logo viramos amigos, nosso jeito se completava, você era tão querido, eliminava a carência que eu tinha. Logo nos encontramos, saímos, conversamos, compartilhamos segredos, sofrimentos, risadas. Fizemos uma troca de história, você era meu, o que eu precisava cuidar e eu era, quem você precisava aturar. Meu jeito nunca fora fácil e você mais do que ninguém deve saber. Lembra das nossas manhãs juntos? Lembra das escondidas que fizemos no meu quarto? Lembra das ” lutinhas ” que eu sempre perdia? Que saco! Lembra de quando você ia embora ” fugindo? ” Lembra das nossas corridas na chuva, dos seguranças chatos, das briguinhas no meio da rua? Lembra de como era bom e acordar e ver um bom dia meu amor? Lembra como era se sentir amado e ter alguém fixo, mas alguém que sabe o que é amar e ser amado? Me bate uma tristeza quando eu me lembro de tudo isso.
-Nada deveria ter mudado, mas eu realmente não sei porque faço isso, mas quando eu caio em mim já está feito, e depois no banho eu percebo o quanto tolo eu sou, afinal estou perdendo a mulher da minha vida desse jeito. -suspirou- Vamos levantar ? Preciso ir trabalhar.
-Vamos -eu disse me levantando e pegando o "roupão" colocando por cima da camisola, fui a cozinha preparar o café da manhã de Harry-

***

Harry havia me dito que teria uma surpresa para mim hoje, não dei muito moral, apenas me arrumei como ele "pediu" e agora estava sentada no sofá de nosso apartamento esperando ele terminar de se arrumar. Chequei meu vestido mais uma vez. Soltei um pequeno sorriso, fazia tempos que não me arrumava para sair, que não me arrumava para Harry. 
Ele saiu do quarto bem vestido, cheiroso e eu amava o ver assim, me atraia tanto. Ele veio até mim, me puxou para perto de si e me beijou, um beijo calmo enquanto ele acariciava minha cintura. M soltou por falta de ar e sorriu, me deu a mão e caminhamos até seu carro.
Fizemos o caminho, para onde quer que seja,  mas ele fora todo em silêncio. Demorou um pouco até que ele parasse o carro em frente ao St.James Parks ,o segundo menor parque de Londres, ele estava todo iluminado e suas flores chamavam atenção, casais passeavam com seus filhos, casais jovens, casais de idosos, crianças brincavam, estava tudo tão lindo. Harry me estendeu a mão e caminhamos pelo caminho feito de pedras até um lago do parque, ali perto haviam algumas mesas com com suas toalhas de mesas brancas, um vela no centro e duas taças, talheres e pratos. Harry me guiou até uma mesa, eu não entendia nada só o seguia, ele me puxou uma cadeira e nos sentamos.

***

-Harry você ainda não me contou o proposito desse jantar.
-Precisa de um?
-Claro, você nunca mais fez algo assim depois "daquela" noite.
-Eu só quero ficar bem com você de novo, não quero que me deixe Seunome. Sem você eu sou apenas, nada. -se aproximou de me ouvido e cantarolou a música que eu ouvia atraves de pequenos acordes de violino pelo parque- Cause I don't wanna lose you now, I'm lookin' right at the other half of me -virei meu rosto para ele e o beijei, eu realmente não entedia porque, mas eu o amava.

Continued...

---------------------------------------------------------------------
Demorou o capitulo né? Eu sei, mas tá ai, eu espero que gostem e próximo capítulo tem surpresa huehue. 
Beijos e comentem, por favor.

Voltei


Olaaá, voltei mofas. 

Tenho que me explicar não é mesmo? Eu decidi passar um tempo longe, tomar uma decisão minha, apenas minha, porque eu não estava me sentindo bem em relação a escrever fanfic. Eu cansei. Ninguém comenta, ninguém se importa, claro, alguns. Neste tempo, ninguém, sem brincadeira, comentou sobre onde estava a continuação, isso já vem me desincentivando a muito tempo. Esse negócio de escrever é uma troca, uma troca de escritor para leitores. E, isso não está acontecendo, pois agora eu decido por mim mesma que eu não vou mais escrever fanfic nenhuma e nem continuar Burn, percebo que minhas ideias não aceitas pela maioria então, para quê perder meu tempo?
Não vai adiantar chorarem pelo leite derramado, pensei em colocar em hiatus, porém decidi parar mesmo. Em hipótese alguma eu volto a escrever fanfic.
Vou somente escrever imagines e longs. 
Não preciso de ninguém que não é chamado nos comentários, cada um sabe o que diz e tem como resposta a mesma educação que foi depositada nele. Se estou sendo grossa é porque tem algo que não me agrada. Cada um com sua opinião, peço que respeitem a minha que a de vocês também serão respeitadas. 
Jana